4º Fórum Mulheres em Destaque discute a igualdade de gênero nas organizações

0
496

Entre os dias 25 e 26 de novembro aconteceu em São Paulo a 4ª edição do Fórum Mulheres em Destaque, abordando a importância de cotas para líderes femininas. A empresária Luiza Helena Trajano, presidente da Magazine Luiza e criadora do Grupo Mulheres do Brasil; Luciana Batista, Sócia da Bain&Co; Raquel Preto, CEO da Preto Advogados; Adriana Carvalho, Assessora para Empoderamento das Mulheres da ONU Mulheres e a Maria Fernanda Teixeira, Sênior Corporate VP da First Data, estiveram presentes e reforçaram a importância da participação das mulheres no poder público e privado.

Adriana Carvalho da ONU Mulheres, declarou não era a favor das cotas no início, afinal cresceu em um ambiente familiar que incentivava a mulher, mas depois de acompanhar alguns estudos e experimentos e avançar na carreira, percebeu que só com cotas será possível mudar a atual realidade. “Vemos que todos os países que tiveram uma iniciativa nesse sentido cresceram a participação feminina. Ainda questionamos muito se as mulheres estão preparadas, mas será que todos os homens que estão lá estão preparados? Sem as cotas, nossa jornada pode levar 300 anos. Tenho duas filhas e não quero esperar tanto”, enfatizou Adriana.

Para Luciana Batista da Bain&Co, não é só uma questão de tempo para termos uma maior participação de mulheres na liderança. Ações precisam ser feitas e as cotas são tipicamente uma ação que vem de fora e normalmente trazem resultados rápidos. ”O que queremos gerar não é número, mas um ciclo vicioso que garanta que mulheres tenham um crescimento”, apontou Luciana, que apresentou números e fatos da pesquisa da consultoria que mostram alguns motivos que fazem com que as mulheres desaparecem na escalada corporativa. Ela defende a criação de metas e cotas pelas próprias empresas.

“As cotas são um mundo ideal? Não, mas são uma possibilidade de garantirmos que nossas filhas vão chegar a cargos de liderança em qualquer lugar, seja na espera política, pública ou privada. Sem as cotas, vamos ter que esperar 300 anos”, defendeu Raquel Preto, CEO da Preto Advogados, que foi bastante incisiva na apresentação dos dados que mostram a falta da participação feminina nas diversas esferas, destacando a disparidade de gêneros atualmente. “Sempre temos a sensação que cotas passa uma mensagem para sociedade de que não somos competentes, mas a questão é outra. Mesmo sendo competentes, sem cotas, não chegaremos lá”, acrescentou.

“Acredito que cotas é um processo transitório para alcançar uma igualdade. O processo educativo é a melhor forma, mas pesquisas mostram que vamos levar pelo menos 20 anos para alcançar 20% de mulheres na liderança e dados mostram que estamos com o mesmo percentual há sete anos. Se não tivermos cotas nem as filhas de vocês vão estar no conselho das empresas”, declarou Luiza Helena Trajano, presidente da Magazine Luiza, fechando o debate e garantindo muitos aplausos da plateia de 300 mulheres.

O primeiro dia do Fórum trouxe temas relevantes para o aprendizado e aperfeiçoamento de mulheres que querem chegar ao topo, como negociação, autoconhecimento, equilíbrio, estilo de liderança e gestão do tempo. No final do dia, o evento homenageia três líderes brasileiras: Claudia Sender, presidente da TAM; Izabella Teixeira, Ministra do Meio Ambiente e Andrea Salgueiro, Vice- presidente de Negócios da Unilever, que recebem o Prêmio Mulheres em Destaque.

[fbcomments]