A importância de action learning

Luiz Augusto Costa Leite e Cleo Wolff
23 de agosto de 2011
Thinkstockphotos
Liderança é algo que toda uma equipe pode fazer em conjunto, respeitadas as divisões de responsabilidade. Influenciar é um direito e não uma delegação situacional

 As soluções de sucesso vêm da aplicação sistemática e simultânea da aprendizagem em ação. Da identificação de um suposto problema à implementação da solução, está claro que as organizações precisam de lideranças qualificadas e processos inteligentes. O sucesso não se constrói ao acaso, pela eventual clarividência de algumas pessoas. O sobe e desce da produtividade das organizações depende muito da qualidade da aprendizagem a partir da experiência em problemas reais. Há várias maneiras de reduzir os riscos de erros humanos causados pelas ineficiências na gestão. Uma delas, cuja experiência positiva nos anima, é o Action Learning.

Reg Revans foi um físico que trabalhou em empresas e nunca se conformou com a dificuldade de transformar problemas em oportunidades de aprendizagem. Desenvolveu, então, um processo que tinha por base sincronizar solução de problemas e aprendizagem. É autor da fórmula A (aprendizagem) = CP (Conhecimento programado) + R (Reflexão) + A (Ação). Daí Action Learning. Em outras palavras: aprender e produzir simultaneamente.

Estruturou a metodologia em seis componentes (problema, equipe, perguntas, ação, aprendizagem e coach), com três níveis de beneficiários: o profissional, a equipe e a organização. Embora várias leituras possam ser feitas a partir do material de Reg Revans, foi o professor Michael M. Marquardt, da Washington University, que melhor aprimorou o modelo e o tem aplicado. Action Learning é considerado um dos principais processos de liderança e desenvolvimento organizacional. As experiências e exemplos relatados neste texto retratam situações reais vividas, observadas e aprendidas especialmente em empresas no Brasil. Vale ressaltar que a aplicação do método concebido e oficializado pelo World Institute for Action Learning (WIAL) deve sempre ser feira por coaches certificados (certified Action Learning coaches) – caso contrário, toda a ação corre o risco de se perder. No Brasil, esse processo é realizado pelo WIAL-Brasil, única entidade reconhecida e autorizada pelo organismo internacional.

O lado prático e vivencial do Action Learning foi apresentado em workshop no 37º CONARH ABRH.

*Luiz Augusto Costa Leite é presidente e **Cleo Wolff é vice-presidente do WIAL-Brasil.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail