Acúmulo de funções

22 de Março de 2010

Segundo levantamento feito pela SulAmérica Saúde com mais de sete mil mulheres, 72% delas apresentam um alto índice de sedentarismo, o que representa uma parcela importante no perfil de risco delas e tem influência em muitos outros problemas de saúde, como explica o diretor de prestadores e serviços médicos da empresa, Roberto Galfi. “Observamos que as mulheres que não praticam atividade física são mais estressadas (em média 14%), mais obesas (7%) e, ainda, fumam mais (2,7%)”, completa.

Ele acredita que o maior vilão da saúde feminina é não encontrar uma forma de conciliar tantas atividades e cobranças no seu dia a dia: da empresa, da família, da sociedade e dela mesma. “A mulher vem ocupando um espaço cada vez maior no mercado de trabalho e, geralmente, mesmo que não seja responsável pelos cuidados com a casa, está constantemente preocupada e envolvida com a dinâmica da família. Esse acúmulo de atribuições a obriga a planejar suas ´tarefas´ e nem sempre a sua saúde é considerada como prioridade”, acrescenta. A pesquisa mostrou, ainda, que 53% das pesquisadas foram classificadas com estresse inadequado e 35% com o Índice de Massa Corpórea (IMC) de sobrepeso ou de obesidade.

Pesquisa realizada pela International Stress Management Association (Isma-BR), no Brasil, que estuda o estresse e suas formas de prevenção, corrobora esses dados. O estudo mostra que a sobrecarga de trabalho continua sendo uma das principais causas do estresse feminino, atingindo 94,3% delas. A presidente da entidade, Ana Maria Rossi, explica que as mulheres são as mais afetadas pelo excesso de tarefas, além da dupla jornada de trabalho, incluindo os afazeres domésticos. “Somado a isso, elas ainda acreditam que precisam produzir mais para provar sua competência”, completa.

Porém, apesar dos níveis elevados de estresse, as mulheres, pelo comportamento que adotam no dia a dia, parecem lidar melhor com ele do que os homens. E isso acontece, segundo a pesquisa, por quatro razões: elas têm mais facilidade para verbalizar suas emoções; maior conscientização das suas condições físicas e emocionais, buscando ajuda nos primeiros sinais do sintoma; mais disciplina na prática regular de técnicas de relaxamento; e, pelo fato de cultivarem uma crença religiosa, demonstrando mais fé.

Outro dado importante (e preocupante) da pesquisa da SulAmérica é o crescente percentual de mulheres que não realizam o acompanhamento ginecológico, chegando a 23% em 2009. “A falta de tempo, associada à percepção de que se não houver sintomas a consulta médica pode ser adiada, contribui para esse aumento”, afirma Galfi. Ele explica que os piores resultados estão entre as mais jovens (20 a 29 anos) e na faixa a partir de 60 anos de idade. “Isso sugere que o foco nessas faixas etárias está mais voltado a outros fatores como formação e crescimento profissional entre os mais jovens e a não necessidade pela redução da atividade sexual para as mais velhas”, completa. “Os pontos apresentados são conclusões com base no levantamento, porém não temos dados que comprovem essas afirmações.”

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail