Saúde

Ajuda necessária

Da Redação
12 de novembro de 2014

Oferecidos para cuidar dos funcionários, os benefícios ligados à saúde às vezes são uma verdadeira dor de cabeça para os gestores de RH. Apresentando custos crescentes graças a uma série de variáveis como inflação médica composta por insumos hospitalares, medicamentos e honorários médicos, determinados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e adicionados à inflação oficial, esses itens do pacote de benefícios representam o segundo maior investimento de uma empresa em pessoas, depois da folha de pagamento, e, por essa razão, demandam um acompanhamento bem detalhado. E para dar conta dessa tarefa, a área de recursos humanos conta com a ajuda de corretoras e consultorias focadas nesses benefícios. E o que esses atores podem fazer para ajudar ainda mais ou para melhorar o serviço que oferecem? O RH responde:

Luciana Valansi / Crédito: Divulgação
Luciana Valansi

Programas de acompanhamento
“Ofertar programas de acompanhamento e gestão de doenças ocupacionais de forma preventiva, de modo a minimizar a utilização dos seguros saúde e ainda gerar um ambiente de trabalho saudável.” Luciana Valansi, gerente de RH da Webb.
 

Marcelo Scharra / Crédito: Divulgação
Marcelo Scharra

Alinhamento
“As corretoras devem estudar bem o seu cliente, principalmente o perfil dos colaboradores, e compreender os interesses da empresa contratante, pois somente assim poderão oferecer soluções que atendam a ambos os interesses. O desalinhamento com os interesses dos beneficiados ou com os da empresa pode fazer com que o investimento neste quesito seja enxergado apenas como custo. É importante que a empresa esteja sempre atenta ao valor investido nesse benefício, pois é muito comum que a empresa vá absorvendo o reajuste anual e em algum momento isso pode estar desalinhado com a sua capacidade financeira. Correto seria a consultoria ou corretora sempre buscar estabelecer um percentual dessa despesa sobre o faturamento e acompanhar junto ao cliente para que a relação não fique comprometida e, em determinado momento, tenha de romper ou não renovar contrato, trazendo prejuízo para a corretora, e um impacto muito grande ao cliente, pois qualquer alteração de benefício sempre gera algum desgaste.” Marcelo Scharra é consultor de gestão e RH da Inside Business Design.

Marcelo Gaspari / Crédito: Divulgação
Marcelo Gaspari

Gestão
“A resposta é gestão. Não basta as corretoras apresentarem alternativas apenas na época dos vencimentos das apólices. Cabe às consultorias acompanhar mensalmente o desempenho dos contratos e propor interferências imediatas, monitorando e assessorando os clientes a cada inconsistência de utilização e sempre adequando às práticas de mercado. Essa ação é, atualmente, mandatória, para os custos não dispararem.” Marcelo Gaspari, gerente de recursos humanos da Veloce Logística.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail