Gestão

As lições de um vencedor

Dorival Donadão
13 de novembro de 2014
Dorival Donadão / Crédito: Divulgação
Dorival Donadão é consultor em gestão e desenvolvimento humano / Crédito: Divulgação

Jorge Paulo Lemann, fundador da Ambev e acionista de empresas multinacionais, é o único brasileiro que figura entre as primeiras colocações na lista de bilionários globais. Sempre distante dos holofotes, ele abriu uma rara exceção e esteve recentemente em uma aula magna falando a jovens estudantes da FGV Rio. Tema da palestra: como fazer acontecer, num cenário de problemas e pressões de toda ordem. Na construção de uma empresa ou de uma carreira, são cinco os pontos explorados pelo empresário. Vamos lá, numa livre adaptação desses aspectos:

Risco: quem não se arrisca não faz nada além do medíocre. Transformar a complexidade do risco em planilhas e fórmulas matemáticas é adiar decisões que podem perder o timing necessário. A única maneira de aprender a lidar com o risco é ir treinando aos poucos. A plena segurança nunca será alcançada; a habilidade será sempre a de conjugar certezas e incertezas, fatos e tendências.

Foco: a universalização da informação e a internet geram uma quantidade imensa de opções de quem busca o conhecimento e, principalmente, os aplicativos práticos desse conhecimento. A escolha de um campo de interesse é essencial para os chamados fanáticos por foco. Lemann faz negócios diferentes, mas sempre dentro de um princípio de análise central (atratividade e potencial do negócio). O foco está na raiz dessa análise e permeia as decisões de risco já citadas.

Sonho: ter uma meta instigante faz parte do componente que Lemann chama de “sonho grande” – tornar-se uma pessoa (e um profissional) melhor, por meio da autoprovocação permanente. Cultivar o sonho é condição básica de um líder que constrói e dissemina um propósito, uma causa capaz de agregar as pessoas.

Gente: formar equipes excepcionais é mais do que um clichê corporativo, é condição de sobrevivência, adaptação e crescimento. Trabalhar com gente diferenciada é um requisito de evolução e de concretização do “sonho grande”. Lemann conta que, no início da sua vida como empresário, tinha a disciplina e a paciência de entrevistar dezenas de candidatos, até construir um pipeline de talentos que iam se agregando à equipe principal.

Eficiência: tudo pode melhorar, ser feito de uma maneira mais cuidada e produtiva. Buscar melhorias graduais é um mantra dos processos e do modelo de gestão em todos os empreendimentos por onde Lemann já passou ou passará. Afinal, a eficiência, quando consolidada, cria referências, padrões e indicadores que serão transferidos e adaptados a novos mercados, negócios e processos organizacionais.
Concluindo, todo esse código de recomendações parece simples e óbvio. Mas é bom lembrar que a volta à simplicidade é uma das práticas mais difíceis de serem adotadas em tempos de vasta e sofisticada literatura de negócios. Lemann demonstra, com o inegável sucesso da sua trajetória, que a simplicidade é um componente-chave da liderança empreendedora.

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail