Buscar o engajamento emocional via app

0
358

Ainda mais interativo, o aplicativo CONARH 2017, desenvolvido pela i9Ação, foi pensado para ajudar os visitantes da feira a terem mais informações e conhecimento sobre gestão de pessoas usando a gamificação. Você ainda tem dúvidas sobre ele? Então, acompanhe essa entrevista com Fernando Seacero, sócio-fundador da i9Ação:

Para este ano, qual é o grande diferencial do app?
O ponto de partida é a busca por meios de influenciar, gerar reflexão, compartilhar e transmitir muito aprendizado aos participantes. E o App é uma grande oportunidade para mostrar como o uso da tecnologia é capaz de gerar conexões em rede, trocar informações e desenvolver conhecimentos. É justamente aí que está o maior diferencial do aplicativo: fazemos isso a partir de um ambiente totalmente gamificado, em que a interação e o engajamento dos participantes será constante.

Como o aplicativo usa a gamificação para ajudar os participantes?
O nosso cérebro, basicamente, é dividido em três partes: o reptiliano, que é responsável pelos movimentos; o límbico, de onde tiramos o lado emocional; e o neocórtex, em que a lógica se manifesta. Essas são condições que os jogos utilizam bastante! E o que fizemos é aproximar isso do aplicativo: criamos um game, ao melhor estilo Pokémon GO, em que o participante terá de se envolver ativamente na feira. Essa é a forma com que propomos uma nova maneira de se explorar o ambiente, o conteúdo e a busca por conhecimento prático.

E como funciona o jogo?
A ideia é propor a participação completa do visitante – e isso quer dizer que a aplicação e a própria estrutura da feira foram pensadas para estimular o movimento, a emoção e a aprendizagem do indivíduo, mostrando como a relação de proximidade e compartilhamento é importante para o desenvolvimento da gestão de pessoas. É isso o que chamamos de gerar conhecimento em rede! Essas ações renderão pontos que, no final, vão virar prêmios para os participantes – o vencedor geral ganhará uma viagem com acompanhante para Nova York! Mas é bom que se diga que o prêmio é apenas um chamariz para o início da conversa. Queremos propor algo além disso, como trabalhar o engajamento emocional desse participante.

E o que seria esse engajamento emocional?
Existem duas formas de se pensar o engajamento: o primeiro é o modelo transacional, baseado “no que se pode ganhar”, no prêmio. Mas esse é um modelo insustentável, que não gera resultados. Já o segundo molde é o engajamento emocional em que você apresenta um motivo para o usuário ou participante se envolver: seja em busca de visibilidade, reconhecimento, conhecimento ou qualquer coisa que torne essa presença efetiva e recorrente. No caso do app, trouxemos isso com conteúdo e a possibilidade real do visitante tirar proveito da experiência gamificada em sua vida. Em 2017, por exemplo, incluímos opções em que os usuários estarão ainda mais conectados à feira, seja para saber o que acontece em uma apresentação ou para criar um novo contato para seu dia a dia. Por exemplo, fizemos um novo modelo de networking que permite ao usuário salvar suas conexões além da feira, tendo a possibilidade de encontrar até as informações do LinkedIn dos participantes. Além disso, construímos trilhas de aprendizado específicas que ajudarão este visitante a escolher o conteúdo a ser acompanhado em cada dia de apresentação. Essas trilhas, somadas às opções de compartilhamento no LinkedIn e no app, além de ajudar a guiar o usuário no evento, pode ajudar este participante a encontrar novos contatos alinhados à sua proposta. Isso enriquece a experiência e facilita a troca de informações.

O app tem algum conteúdo exclusivo?
Sim. Com o aplicativo, os usuários receberão o material das palestras-magnas logo após a realização das atividades em formato de infográfico. E ainda terão acesso a todo este conteúdo, que estará disponível até o fim do ano. O visitante que se registrou na apresentação vai poder fazer o download desses itens.

Quais são as novas oportunidades que o aplicativo traz ou propõe ao visitante?
Vivemos em uma era conectada, mas que a troca de informações e experiências continua sendo vital. Aqui na i9Ação, temos metodologias específicas que mostram como esse relacionamento pode ser realmente vantajoso para as companhias que querem resolver seus problemas internos ou instituir uma cultura organizacional mais sólida. Com o app e o CONARH temos a chance de mostrar que esses profissionais de RH podem, também, ganhar com essa sinergia, entendendo e compartilhando dicas e processos. No fim, movimentar esse ambiente é algo em que todos poderão ganhar.

Cinco informações extras sobre o app:

  1. Você pode fazer o download gratuito do App CONARH 2017 nos sistemas iOS e Android. É só baixar, instalar e usar;
  2. Totalmente renovado, o app quer superar o sucesso das últimas versões. Por isso, a expectativa é que o aplicativo, este ano, supere os resultados do ano passado, quando a aplicação bateu suas melhores marcas, com mais de 3.200 downloads e 152.000 hits.
  3. Para isso, a solução traz ambiente gamificado, novos recursos de valorização da experiência de uso dos visitantes e mais ferramentas para compartilhamento de informações e conteúdo.
  4. Nesse cenário, outro destaque é que você poderá se conectar aos outros participantes, fazer perguntas diretamente aos palestrantes, consultar o mapa da feira e acompanhar as notícias divulgadas nas redes sociais;
  5. Além disso, para facilitar a escolha das atividades, o evento deste ano contará com 6 Trilhas de Conhecimento específicas: Estratégia, Liderança & Talentos, Cultura, Gestão & Serviços, Viabilizadores e Mercado & Tendências. É só escolher e seguir!
SHARE
Previous articleComo liderar a inovação
Next articleFelicidade feminina
Gumae Carvalho é editor de MELHOR – Gestão de Pessoas, revista oficial da ABRH. Antes, também trabalhou nas revistas Educação e Ensino Superior. Foi professor na Faculdade Cásper Líbero (onde se formou em 1993), assessor de imprensa, consultor editorial e um dos criadores do fanzine (e depois revista) Panacea.
[fbcomments]