Tecnologia

Centros de Serviços Compartilhados apoiam produtividade do RH na era digital

De acordo com uma pesquisa da PwC, atendimento em empresas que adotam CSCs é de um profissional para até 500 pessoas

Da Redação
9 de Maio de 2018

Foi-se o tempo em que o departamento de RH precisava se preocupar somente com a folha de pagamento dos funcionários. A mudança nas necessidades dos profissionais e a chegada de novas gerações ao mercado de trabalho transformaram o setor em um ambiente que deve pensar em novas estratégias de retenção de talentos, distribuição de benefícios e questões burocráticas relacionadas a eles. E uma das estratégias para garantir a entrega e produtividade é a adoção de Centros de Serviços Compartilhados (CSCs).

Carlos Alberto D'Avila. Foto: Daniel Zimmermann

Carlos Alberto D’Avila. Foto: Daniel Zimmermann

Na era digital, a CSC física muitas vezes é complementada ou mesmo substituída por ambientes totalmente online. “Os sistemas hospedados em nuvem estão cada vez mais em alta. Com eles, chega às empresas a automatização de tarefas, que antes precisavam ser feitas de forma manual. Uma ampla plataforma de CSC, que atue junto com processos bem desenhados não só garante alta produtividade como também adoção de novas estratégias para o RH, que vive uma verdadeira mudança na era digital”, explica Carlos Alberto DÁvila, CEO da Ellevo, especializada no desenvolvimento de soluções para a área.

O executivo aponta o aumento da produção per capta como o principal fator para que a tecnologia se torne uma aliada. De acordo com uma pesquisa da consultoria PwC, empresas que adotam CSCs conseguem garantir que um profissional atenda a demandas de até 500 pessoas. “Isso acontece porque boa parte dos serviços seguem um roteiro pré-determinado e no sistema de gestão ele acontece automaticamente. A solução tecnológica tira o profissional da tarefa operacional e permite que ele se concentre mais em situações estratégicas, incluindo a melhor gestão de recursos”, destaca o empresário.

Era digital traz novos desafios para CSCs
D’Avila salienta ainda que na era digital, em que a Indústria 4.0, a automatização e o uso de Inteligência Artificial ganham destaque, é preciso estar atento às mudanças de gestão. “Hoje o RH deve olhar para o profissional da empresa como um cliente. Precisa ter foco na experiência dele, garantindo novas oportunidades de crescimento e motivação. Com uma boa plataforma de CSC, o setor consegue ampliar a comunicação com as equipes, ter mais transparência nas decisões relacionadas à gestão de pessoas”, avalia.

Para ele, uma plataforma de CSC não deve ser vista apenas como um sistema para controle de atividades. “Mais do que isso, ela permite uma integração muito maior e quando utilizada de forma estratégica, dá à empresa recursos bem interessantes. Um exemplo é o preenchimento de uma vaga solicitada por um gestor de outra área. Com um sistema bem desenhado, o RH não só recruta externamente, mas pode avaliar a partir dos dados já compilados um candidato interno, que poderá preencher rapidamente a vaga e ainda apoiar o crescimento da área”, conclui.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail