Gestão

CEO Challenge

Divulgação
31 de outubro de 2014

A busca por talentos é o maior desafio a ser enfrentado pelos líderes do mundo todo para que seus negócios prosperem. É o que apontou, mais uma pesquisa, a CEO Challenge de 2014, que ouviu 1.020 líderes ao redor do mundo para descobrir quais são os seus principais desafios estratégicos e como superá-los.

Na Ásia foram ouvidos 458 líderes (47% da amostra); na Europa 105 (10,3%); nos US 233 (22,8%); na América Latina 114 (11.2%) e em outras localidades 89 líderes (8,7%). Deste total 292, são do segmento de manufatura; 105 da indústria financeira e 564, da indústria de serviços.  A receita de 92 delas supera os US$ 5 bilhões ao ano; 102 têm receita entre US$ 1bi e US$ 5bi; 205 entre US$ 100 milhões e  US$ 1bi  e 583 tem receita abaixo de US$ 100 milhões.  Como esta é a primeira vez que a pesquisa inclui dados da América Latina via parceria entre a Mercer, Marsh e The Conference Board – que realiza a pesquisa no mundo inteiro – é possível comparar a diferença entre as regiões. Mas sabe-se que entre as 25 iniciativas que os líderes mencionaram estar implantando para atender aos cinco primeiros desafios, 12 deles tem a ver com pessoas.

A Amostra da América Latina reúne empresas que têm receita acima de US$ 5 bi em 10,7% da amostra; entre US$ 1bi e US$ 5 bi, 11,6%; entre US$ 1bi e US$ 100 mi,  32,1%; e abaixo de US$ 100 mi 45,5% da amostra.

Muitas empresas no auge da crise cortaram investimentos em treinamento. Esses investimentos terão que voltar com urgência, pois, com relação às pessoas, as empresas apontaram entre um dos mais importantes itens, prover treinamento e oportunidades de desenvolvimento para os colaboradores. Também está na listas destes líderes investir mais na retenção dos talentos-chaves; melhorar os processos e o engajamento dos gerentes na gestão do desempenho e aprimorar os programas de desenvolvimento de lideranças. Também será necessário buscar uma melhora na eficiência dos supervisores na linha de frente. Segundo eles, sem pessoas engajadas e produtivas, não há como manter um negócio, não importa a corporação ou quanto fature ao ano.  Qualquer uma está correndo o risco de perder mercado por não criar programas de engajamento eficientes ou não preparar adequadamente sua equipe. A área de Recursos Humanos terá um papel decisivo para colaborar com esse cenário de busca de talentos-chaves e de relacionamento com o mercado e órgãos reguladores.

A pesquisa também apontou que na América Latina, alguns pontos críticos de cenário também podem influenciar nos resultados dos líderes. São eles: Relações Trabalhistas; Volatilidade Econômica e do Câmbio; Diversidade na Liderança Local; Análise de Big Data e Compliance com legislação local relacionada a corrupção e suborno.  “Será fundamental, por exemplo, além de criar um programa mega eficiente na gestão de pessoas, também engajar-se com os competidores para influenciar a agenda regulatória em prol do fortalecimento e entendimento da legislação e dos códigos de conduta de negócios”, comenta André Maxnuk, líder da área de Fusões e Aquisições da Mercer. 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail