Content marketing - Grupo DPSP

Como combater o diabetes

Grupo DPSP
20 de julho de 2017

Doença acomete cerca de 16 milhões de brasileiros

Com o lema Vencer a Diabetes, o último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu que 16 milhões de brasileiros adultos (8,1%) sofrem da doença. No mundo, esse número sobe para 422 milhões, quatro vezes mais do que em 1980, destaca o relatório. Uma outra pesquisa conduzida pelo Ministério da Saúde revelou ainda que o número de brasileiros com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos.

dpsp1Como os números revelam, os casos da doença vêm avançando nos últimos anos, assim como suas complicações: lesões em todo o corpo, incluindo olhos (catarata e glaucoma), rins, vasos sanguíneos (AVC), coração e nervos. Governos e organizações mundiais ressaltam que esse aumento está diretamente relacionado a dois fatores: má alimentação e falta de atividade física. Nesse sentido, empresas e governos devem concentram esforços em programas de reeducação alimentar para a redução do consumo de alimentos processados e com alto teor de açúcar e na promoção de atividades físicas.

Tipos de doenças
dpsp2Para entender um pouco mais sobre os perigos escondidos por trás do diabetes, primeiro é preciso explicar os tipos dessa doença. No diabetes tipo 1, o pâncreas, responsável pela produção de insulina, não produz o hormônio ou o produz em quantidade insuficiente. A causa desse tipo ainda é desconhecida, mas acredita-se que possa ter origem genética ou autoimunológica. Ela pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum em crianças, adolescentes e adultos jovens. Já o diabetes do tipo 2 é comum em adultos com mais de 40 anos, acima do peso, sedentários e fumantes, mas nos últimos anos vem sendo diagnosticada em pessoas jovens devido aos maus hábitos alimentares, sedentarismo e vida estressante. Nela o pâncreas produz insulina em quantidade insuficiente ou a produz normalmente, mas o organismo não consegue utilizá-la de forma correta. Há ainda casos de diabetes gestacional que se manifesta na gravidez, desaparecendo, em geral, logo depois do parto.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail