Gestão

Como fazer um processo seletivo estratégico

Divulgação
30 de Janeiro de 2015

Hoje o processo seletivo é visto como estratégico e parte integrante do planejamento da empresa, e quando realizado de forma correta, pode reduzir em até 90% o custo das contratações. Esse processo envolve não apenas a divulgação da vaga e a escolha de um candidato. É importante o envolvimento do gestor que busca esse novo profissional e o uso avaliações mais abrangentes para encontrar o melhor aspirante a vaga entre outros.

Segundo Roberto Didio, gerente da unidade carioca da Luandre, consultoria de recursos humanos, “organizações que focam em desenvolvimento e retenção têm, comprovadamente, retorno veloz e crescimento sustentável”, explica. Para auxiliar nessas contratações a empresa fornece seis dicas para para garantir contratações assertivas e economizar no orçamento.

1. Envolva os líderes no processo – A redução do custo com contratações acontecerá somente se os líderes da empresa contratante estiverem alinhados com os principais desafios: desenvolvimento de liderança, desenvolvimento de carreira e sucessão, gestão por habilidades e competências, gestão de clima organizacional, compromisso dos lideres com gestão de pessoas.

2. Evite desligamentos mantendo a equipe motivada – Apesar de não estar diretamente ligada à contratações, muitas vezes é possível controlar o turnover ou absenteísmo dos funcionários, o que fortalece a empresa. Para isso, é necessário que as áreas de Treinamento e Desenvolvimento apliquem ferramentas que elevem a motivação e aumentem a produtividade, gerando um constante movimento de integração.

3. Avaliando além do currículo – O potencial emocional e intelectual é cada vez mais valorizado. Nesse cenário, a avaliação psicológica não deve ser dispensada. Ela ajuda a identificar características do comportamento do candidato em diferentes ambientes, especialmente de sua personalidade.

4. Contratando no mercado competitivo – Independente do setor da empresa, dinamismo, comprometimento e eficiência são características básicas para qualquer candidato. Por outro lado, os candidatos também estão mais exigentes, com objetivos mais agressivos, buscando reconhecimento salarial e evolução de carreira em curto prazo. Ou seja: não basta encontrar o profissional certo, mas atraí-lo e convencê-lo também.

5. O valor das consultorias – Para lidar com esse cenário, na última década, a fatia de recrutamento e seleção foi gradualmente transferida das empresas para as consultorias, muitas vezes mais preparadas para a demanda e em desempenhar um papel estratégico nas contratações.

6. Prepare-se para a geração Z – Os jovens nascidos na década de 90 representam um desafio para as empresas e para os recrutadores. A saída para atrair e reter esses talentos é mantê-los motivados em funções onde se sintam valorizados, possam expor suas ideias e exijam agilidade na resolução de problemas.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail