Gestão

Entrando nos jogos

9 de Maio de 2014

 

Agenda voluntária
Conheça o cronograma de trabalho do acordo colaborativo entre a ABRH-Nacional e o Comitê Rio 2016:
Maio de 2014: Lançamento do Programa de Selecionadores
Agosto de 2014: Abertura das inscrições no dia 28 de agosto, que é, desde 1985, o Dia Nacional do Voluntariado no Brasil
Fevereiro de 2015: Abertura dos centros de recrutamento e treinamento. Início do trabalho de campo dos selecionadores

Imagine selecionar 70 mil voluntários para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Isso representa contratar algo próximo ao total de moradores da comunidade da Rocinha, na capital fluminense, que conta, segundo dados do IBGE, pouco mais de 69 mil pessoas e que, se fosse uma cidade, seria maior do que 92% dos municípios brasileiros. Para dar conta desse desafio, o Comitê Rio 2016, a ABRH-Nacional e a ABRH-RJ firmaram um acordo colaborativo. 

A iniciativa consiste na busca de profissionais da área de RH que irão conduzir as dinâmicas no processo seletivo para os candidatos a voluntários nos Jogos Rio 2016. No total, serão 1.000 selecionadores, também voluntários. “Será uma grande realização para a ABRH-Nacional em conjunto com a ABRH-RJ contribuir com esse evento mundial em que o voluntariado dos profissionais de RH fará a diferença”, diz Leyla Nascimento, presidente da ABRH-Nacional.

Henrique Gonzalez, diretor de recursos humanos do Rio 2016, conta que o grande legado desse acordo é ajudar a desenvolver a cultura de voluntariado no país. “Afinal, quando um candidato a voluntario é entrevistado por um voluntário, por meio do exemplo do seu futuro colega, ele compreende melhor o valor de ser um voluntário para os jogos”, explica.

Do total de voluntários selecionados, 45 mil irão atuar nos Jogos Olímpicos e 25 mil nos Paralímpicos. Eles serão recrutados para atuar nas seguintes cidades: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Salvador. “O Comitê cuida do planejamento e entrega dos dois Jogos, assim, o processo de seleção dos voluntários é único. Quanto ao sistema de cotas, o Rio 2016 estabeleceu uma meta de diversidade a ser alcançada. Além disso, o programa tem como objetivo ser inclusivo e ter a cara do povo brasileiro”, diz Gonzalez.

#L# Contar com a expertise e a tradição de uma instituição renomada como a ABRH-Nacional é, segundo ele, muito gratificante. “É algo que vem para agregar no desenvolvimento e seleção do programa de selecionadores. Considerando, vale destacar, a grande experiência da ABRH-Nacional com voluntários: afinal devemos sempre lembrar que a operação da associação é feita principalmente pelo voluntariado de profissionais experientes e muito engajados no desenvolvimento do setor no país.”

Gonzalez ressalta ainda que esse trabalho com a ABRH-Nacional também vai ajudar as empresas associadas a se planejarem e a desenvolverem seus próprios programas de voluntários, além de incentivarem seus colaboradores a participar do Programa de Voluntários Rio 2016. “E, quem sabe, negociar o período de participação, já que a experiência adquirida, tanto pessoal quanto profissional, será única, inesquecível e de grande valia para todos os envolvidos. Afinal, esse legado ficará para a sociedade como um todo; esse é sem dúvida nosso grande desafio”, diz.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail