Estratégias futuras, hoje

    0
    143

    > Veja como foi o CONARH 2009

    Em sua 35ª edição, o Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (CONARH), organizado pela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Nacional), vai discutir a criação de “pontes”. Com o tema principal Da realidade que temos para o futuro que queremos: oportunidades e tendências , o evento vai levantar discussões e reflexões sobre os modelos organizacionais que conseguem responder com mais agilidade e eficácia a situações econômicas complexas, que exigem grande transformação.

    Como explica Luiz Augusto Costa Leite, coordenador do Comitê de Criação do CONARH 2009, os profissionais de gestão de pessoas precisam estar atentos aos acontecimentos, pois em situações de recessão, quase sempre, os principais impactos na vida das organizações se concentram justamente na área de pessoas. “A ABRH-Nacional acredita que é urgente pensar o futuro por meio do conceito de sustentabilidade. Neste momento de recessão, os princípios maiores da sustentabilidade devem ser preservados, evitando-se repetir velhos
    erros”, assinala.

    Um dos temas que o congresso vai focar é a questão da importância de líderes que atuam de modo responsável, ou seja, focando a perenidade do negócio e não apenas resultados de curtíssimo prazo. Para debater este tema, o presidente da escola de negócios IMD, uma das mais conceituadas do mundo, John Wells, estará na palestra de abertura cdo congresso falando sobre liderança responsável, conceito baseado no entendimento de que os líderes empresariais precisam, muito mais que obter resultados financeiros imediatos, gerar valor e crescimento sustentado, levando em consideração o impacto das decisões para seus parceiros, comunidade e ambiente.

    Veja também:
    Metas sustentáveis, prática responsável
    Para presidente do IMD, obter resultados da forma correta significa tratar pessoas e instituições de forma justa

    Experiência que vem das Gerais
    Em painel comandado por Betania Tanure, presidentes da Fiat e da Usiminas debatem a inclusão no mercado de trabalho

    Gestão no limite
    Experiência da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) mostra como gerenciar pessoas em situações extremas

    Modelo certo
    Gestão de indicadores pode garantir sobrevivência dos negócios

    SHARE
    Previous articleFicar no tempo
    Next articleO CEO não é o limite
    [fbcomments]