Gestão inspirada na arte

0
462
Comitê CONARH 2015

Contemplação, sensibilidade, inspiração e imaginação são palavras comumente relacionadas à arte que, nas suas diferentes formas de expressão, parece algo distante e desconectado das urgências e pressões do mundo dos negócios. Mas especialistas em gestão acreditam que por meio dela é possível encontrar respostas para os desafios, as incertezas e a complexidade vivenciados pelas empresas do terceiro milênio.

É pensando assim que a ABRH dá largada para a próxima edição do maior evento de gestão de pessoas da América Latina e segundo maior do mundo. Agendado para acontecer de 17 a 20 de agosto, no Transamerica Expo Center, em São Paulo, o CONARH 2015 – 41º Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas traz como tema central A arte da gestão de pessoas e a premissa de que as inspirações trazidas pelas manifestações artísticas podem dar apoio à construção de novas soluções para demandas que ainda não tenham sido plenamente atendidas no mundo corporativo.

“As requisições das corporações para uma atuação mais próxima dos centros de poder em contrapartida aos limites e restrições de autonomia e empowerment para a área de gestão de pessoas são só um dos exemplos”, cita o consultor Dorival Donadão, especialista em educação corporativa, alinhamento estratégico e teambuilding e um dos coordenadores dessa edição do evento de 2015.

De acordo com ele, a arte – seja por meio da pintura, do cinema, do teatro, da literatura ou das demais possibilidades artísticas – pode ser fonte de referência e trazer paralelos provocativos e instigantes na gestão.

Novo time
Também na coordenação do CONARH 2015 estão Ricardo Mota, que há 15 anos atua na área de Recursos Humanos; Sofia Esteves, presidente da DMRH; e Leyla Nascimento, presidente da ABRH-Brasil. Até agosto, eles estão à frente do comitê de criação do evento, que, a exemplo dos anos anteriores, traz novos integrantes.

“Todos os anos promovemos algumas mudanças com o propósito de trazer novas cabeças, novos pontos de vista, novas contribuições. Isso faz do CONARH um evento sempre inovador e atual. Neste ano, convidamos, por exemplo, duas jovens profissionais de RH – a Julia GuidonSetúbal e a Cintia Peres da Conceição – para fazer parte do comitê, porque queremos ouvir as novas gerações e traduzir seus interesses e expectativas em conteúdo do congresso. Também criamos um grupo de mentores, com três experientes profissionais, que, ao longo de sua carreira, têm nos honrado com sua participação no comitê de criação e, agora, serão uma espécie de guias e questionadores nas nossas reuniões”, conta Leyla.

Sofia integra o comitê há cinco anos; agora, na coordenação, quer a participação ativa do público na elaboração da grade. “Nos últimos anos, o congresso trouxe na pauta assuntos como felicidade, paixão e o legado do indivíduo versus a cultura e propósito das organizações, de extrema relevância na discussão sobre engajamento e fidelização dos profissionais nas empresas. Agora, a partir da arte como tema, minha principal expectativa é criarmos uma grade de conteúdo com a maior interação e participação dos congressistas, pois já foi comprovado que a melhor forma de adquirir conhecimento é ajudando a construí-lo”, afirma.

Também há cinco anos contribuindo com o evento, Mota tem a expectativa de que, além do conhecimento e das novas técnicas e ferramentas, a 41ª edição toque a alma das pessoas e permita que elas se sintam em estado de arte ao retornarem para suas empresas. “O CONARH é o encontro de pessoas que buscam a transformação das empresas por meio da essência do ser humano”, define.

 

[fbcomments]