Carreira e Educação

Inteligência Emocional no ambiente de trabalho

O desenvolvimento pessoal e a gestão de pessoas estão sendo aprimorados por essa nova competência

Da Redação
10 de junho de 2018

O senso comum e algumas regras antiquadas ditam que as emoções são grandes inimigas da inteligência. Porém, atualmente, quando praticamente tudo é interligado e complementar, o gerenciamento de emoções conquistou status de inteligência. Segundo Daniel Goleman, considerado criador do conceito de “Inteligência Emocional”, psicólogo, escritor e PhD da Universidade de Harvard, as emoções podem influenciar na carreira. De maneira mais prática, o comportamento pode até ser responsável pela demissão de um profissional.

Para melhorar o gerenciamento de sentimentos, é necessário um primeiro passo simples: a auto-observação. “Essa análise está muito longe de ser uma crise de identidade”, comenta Hendel Favarin, CEO da Escola Conquer, desenvolvida no Vale do Silício para acelerar o crescimento pessoal e profissional das pessoas. “Primeiro comece a perceber como as influências externas afetam o seu emocional e como as suas emoções podem atingir outras pessoas”, aconselha.

Administrar as emoções no ambiente de trabalho pode ajudar o colaborador a ser cada vez mais produtivo e a ter mais qualidade de vida. O ideal, para não desperdiçar qualquer potencial, é nunca beirar o extremo da razão ou da emoção. Ter uma inteligência emocional bem equilibrada faz com que qualquer pessoa reaja aos obstáculos com mais tranquilidade e tenha facilidade em estabelecer relacionamentos interpessoais, o que ajuda, inclusive, a fazer networking.

Segundo Hendel, é um equívoco comum crer que pessoas mais velhas automaticamente são dotadas de inteligência emocional. Diversos fatores externos e internos podem influenciar o desenvolvimento dessa competência em algum profissional, mas independente da idade, é possível aprimorá-la. Por ser um assunto relativamente novo, a maioria das instituições tradicionais de ensino e até mesmo empresas acabam não estimulando essa habilidade.

Quando se trata de líderes com inteligência emocional, o impacto positivo é ainda maior. Por conta dessa capacidade, esses líderes conseguem motivar a equipe, dar-lhes autonomia e se equilibrar, sem divagar com resultados impossíveis ou mergulhar em um perfeccionismo pessimista.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail