Gestão

Investindo no futuro

Ricardo Mota
13 de julho de 2012

O desafio de atrair bons profissionais vai além da área de RH, mas esta, sem dúvida, é a principal responsável por informar a empresa da opinião dos candidatos sobre ela e sobre o papel dela no mercado e na sociedade. Tais dados devem ser obtidos no processo seletivo, pois entender a visão de quem está de fora é fundamental para alinhar a estratégia de atração e aprimorar a relação com os clientes. No setor automobilístico, há uma certa dificuldade de encontrar pessoas com formação, principalmente em cargos específicos, como lavador de carros, mecânico, funileiro, pintor e consultor técnico. As empresas precisam ser criativas para suprir essa demanda, do contrário, perdem mercado.

O Brasil é o país que mais atrai as montadoras atualmente. Temos 26 fábricas de 19 marcas, com uma capacidade anual de produção de 5 milhões de veículos. Só em 2011 foram nove montadoras em construção ou em projetos no país, que deverão injetar 5 bilhões de dólares na economia até 2014. Além disso, as empresas que já definiram seus projetos têm meta de aumentar a produtividade. Somando-se tudo, deverão ser gerados mais de 14 mil empregos diretos, e buscar esses profissionais é um desafio cada dia maior. Na UAB, representamos nove marcas em 30 localidades e possuímos 1,5 mil colaboradores. Cada uma das marcas tem uma exigência de qualidade como a conhecida exigência da Toyota. Cumpri-la vale bônus, por isso, ter os profissionais preparados, formados e engajados é fundamental para a saúde do negócio; entretanto, o turnover no nosso mercado é muito alto.

Assim, decidimos apostar nos jovens em início de carreira e de nossas centrais de atendimento, formando-os em vendas ativas, a partir de uma parceria com a Escola Técnica Brasileira, com a qual fechamos uma grade técnica e incluímos a nossa cultura e as políticas de qualidade das concessionárias. O programa é validado e homologado pelo Ministério da Educação (MEC) e concede certificação técnica aos participantes. Para concluir o curso, é necessário que o jovem cumpra o estágio na nossa empresa, período em que aprimoramos os conceitos atração e engajamento, pois podemos avaliar o perfil dos candidatos com a cultura da empresa e do negócio. Ainda pensando na formação dos jovens, mas já entrando na área de engajamento e retenção, temos a experiência da formação técnica em mecânica automobilística, na qual incentivamos os pais a inscreverem seus filhos e, junto com a montadora, patrocinamos a formação de novos profissionais. Com isso, além de formar profissionais, aumentamos o tempo de “casamento” – a chamada retenção – e o engajamento, pois a família começa a fazer parte do negócio. Essa ação ainda é nova, mas já temos 100 profissionais em estágio. Quem trabalha diariamente com metas agressivas quer sempre pessoas com experiência, mas, a cada dia, mais e mais lojas surgem no mercado e temos de cuidar para não perder market share. Por isso, reconhecer quem faz parte do negócio e os melhores “formadores de gente” é fundamental para o nosso sucesso. 


Ricardo Mota
é diretor de RH da UAB Motors e membro do comitê de criação do CONARH 2012

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail