Gestão

Investir na realização de talentos

Dum De Lucca
15 de Janeiro de 2014

Imagine um sujeito que acaba de ingressar como assistente técnico de uma empresa brasileira do setor de celulose. Dois anos depois, ele dá seu primeiro salto na carreira: assume a supervisão de assistência técnica. Mal havia se estabelecido nesse cargo, receberá um novo convite: coordenar o desenvolvimento de produtos em outra unidade. Em questão de pouco tempo, esse profissional seguiu para a coordenação regional de produtos. Nessa última função, uma pulga atrás da orelha lhe dizia: “Você ainda pode fazer mais por essa empresa, não se restrinja ao cargo”. Foi então que resolveu insistir na criação de uma área estratégica de inovação a longo prazo. Da ideia, comprada pela companhia, surgiu o seu atual e, por enquanto, derradeiro cargo: gerente de inovação.

Estamos aqui relatando o percurso profissional de Luiz Martins, gerente de inovação da Celulose Irani. E custa acreditar que todas essas etapas ocorreram em apenas sete anos, de 2005 a 2012. Mas, diferentemente do que se imagina, todos esses passos meteóricos, porém precisos, foram devidamente coordenados pelo núcleo de desenvolvimento de pessoas, o antigo departamento de RH da companhia.

Com um RH mais estratégico, o capital humano ganhou destaque na empresa. Programas focados em capacitação e melhoria no desempenho de toda a equipe foram criados: o Cresce, Motiva, Supera, Cuida e Gera (veja mais no boxe da página 64). O objetivo inicial dessa cartela de projetos era atingir o desenvolvimento e, consequentemente, a motivação dos colaboradores. A ideia deu certo, como é possível constatar na história de Martins e, mais do que isso, ajudou a melhorar a rotina de trabalho, diminuir o turnover e aumentar a produtividade da companhia.

Capacitar de acordo com as demandas
A empreitada, como explica Pericles Pereira Druck, diretor-presidente da Celulose Irani, nasceu da necessidade natural em capacitar os colaboradores de acordo com as demandas da empresa. “A construção dos programas é comandada pela área de desenvolvimento de pessoas e, em alguns casos, conta com a ajuda de consultorias externas, mas sempre se adequando ao nosso jeito [o DNA da Celulose Irani]”, esclarece. Os projetos iniciados em 2005, hoje, já atingiram praticamente 100% de todos os 1,9 mil colaboradores da companhia.

A ação de sempre aprimorar a capacidade dos colaboradores proporcionou um grande número de promoções, o que sinaliza que os programas de desenvolvimento humano estão dando certo. Avesso ao termo retenção de talentos, Druck crê em “realização de talentos”, o que significa dar a oportunidade para que esses profissionais se realizem, seja pelo treinamento ou pela oportunidade de perfil. “O que retém, na verdade, é a oportunidade de realizar cada vez mais. Mas é bom que o mundo permita que uma pessoa saia e entre um sucessor melhor.”

Para o executivo, a comunicação foi e continua sendo peça fundamental para o sucesso do crescimento humano na Celulose Irani. “A comunicação é feita via lideranças internas, mas também usamos a intranet e uma publicação impressa. Esse amálgama faz parte da cultura Irani e está incorporado ao nosso DNA, que é dinâmico e pode ser adaptado segundo as demandas.”

Performance
Os impactos do desenvolvimento dos colaboradores são nitidamente percebidos na performance da empresa no mercado. O próprio recrutamento interno, que se mescla ao externo, cria uma dinâmica de oportunidades e desafios que ajudam a alimentar o ciclo.

Para o gerente de inovação, o personagem do início da nossa matéria, sua rápida ascensão na empresa foi fruto da qualificação e experiência que ganhou ao participar dos programas da companhia. Ele destaca os cursos de liderança e feedback que recebeu ao longo desse processo como ferramentas essenciais para o crescimento. “Usar as avaliações corretamente elimina os pontos negativos e melhora os positivos. Nessa hora, o programa Motiva ajuda para que todos os objetivos da empresa e dos colaboradores sejam atingidos”, explica Luiz Martins.

A gerente jurídica da Celulose Irani, Cassandra Driessen Pavelski, compartilha a trajetória do colega. Na empresa também desde 2007, quando entrou como advogada júnior, ela foi galgando posições nesses anos até alcançar a atual gerência jurídica da companhia. “Minha história de crescimento começou em 2009 quando passei a advogada pleno. Após dois anos, fui convidada para ser coordenadora da área jurídica, que não existia na empresa, e, em junho de 2013, assumi a gerencia jurídica corporativa”, conta.

A advogada frisa que passou pelos programas Cresce, que foi essencial para a sua capacitação, e pelo Supera, que avaliou todas as suas competências e lhe deu o feedback de todos os pontos a serem aperfeiçoados. Enquanto gestora, Cassandra ressalta a relevância do programa Supera tanto para a sua avaliação quanto a dos subordinados. “O Supera permite avaliar e melhorar os pontos frágeis dos colaboradores, contribuindo para um melhor desempenho. Ele está ligado ao Motiva, que serve de base para orientar os funcionários a se aperfeiçoar.”

A Irani proporcionou que, de uma formação acadêmica em direito, Cassandra percorresse um caminho próspero até a gestão. A gerente conta que em 2010 fez um MBA de gestão empresarial para área jurídica ao mesmo tempo em que fazia um curso de liderança interno. “Na academia de líderes, fui indicada como uma líder potencial e, agregado ao MBA, a diretoria entendeu que eu poderia assumir a coordenação jurídica. Buscava uma capacitação para um dia ter um cargo de liderança, o que aconteceu mais rápido do que imaginava. Foi uma ótima surpresa para mim e isso se deve à preocupação com que a Irani trata as pessoas”, completa.

Resultados
Entre os principais resultados alcançados do lado humano da organização é possível destacar o aumento de promoções – consequência da valorização dos recrutamentos internos -, o alto nível de satisfação das lideranças, a melhora no clima organizacional, além de uma queda no turnover e no número de acidentes de trabalho.

E mais uma vez a lógica de que funcionários felizes produzem mais funcionou. A Celulose Irani deu um grande salto em produtividade no 1º trimestre de 2013: a receita operacional líquida de 123,8 milhões de reais foi 7,8% superior ao mesmo período de 2012.


 

Detalhes dos projeto

Cresce
Foi criado para alinhar as ações de capacitação e desenvolvimento de pessoas às estratégias da companhia e para fazer da Irani uma empresa na qual o aprendizado ocorra continuamente. Dentro do programa, e com base na intenção estratégica, a empresa definiu algumas competências para serem desenvolvidas, que são trabalhadas e estruturadas em ações específicas com os colaboradores. Pericles Pereira Druck, diretor-presidente da empresa, relata que o programa é focado no desenvolvimento de pessoas e criado a partir das demandas internas da corporação e da necessidade de crescimento dos colaboradores. 

Supera
É um programa para a gestão de desempenho, que acompanha ao mesmo tempo competências e resultados, com os objetivos principais de estimular o desenvolvimento das pessoas e vivenciar a meritocracia, além de desenvolver a cultura do feedback e da gestão do desempenho individual. Nele, os colaboradores podem receber uma remuneração adicional que varia de 20% a 150% do salário nominal. “Esse programa alimenta anualmente o plano de desenvolvimento individual na medida em que identifica gaps e oportunidades que são reportadas para a área de desenvolvimento humano, que por sua vez direciona as prioridades e dá as alternativas de como ajudar no processo de desenvolvimento”, define Druck. 

Cuida
Estruturado para propiciar mudanças comportamentais e melhorar as condições físicas do ambiente de trabalho, o programa é constituído por um conjunto de procedimentos práticos e aplicáveis dentro de um modelo de gestão integrada de saúde e segurança.

Motiva
Definição adotada para o programa de gestão do clima organizacional. A metodologia utiliza pesquisas bianuais de clima dentro das melhores práticas, e os resultados geram planos para aperfeiçoar o bom ambiente. Para o diretor-presidente da Celulose Irani, o Motiva foca pessoas felizes trabalhando em equipe e produzindo muito mais.

Gera
Tem como objetivo assegurar que todas as pessoas contratadas estejam integradas e adequadas à cultura organizacional, que possam ser acompanhadas no seu desenvolvimento, e que, ao fim do vínculo profissional, a evidência de crescimento de ambos, empresa e colaborador, seja um dos resultados reconhecidos.


 

Sobre a Celulose Irani

Fundada em 1941, referência no mercado brasileiro de embalagem de papelão ondulado e papel para embalagens, a Celulose Irani possui cerca de 1.800 colaboradores espalhados entre as unidades fabris do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, além de escritórios em Porto Alegre, São Paulo e Joaçaba (SC).

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail