Mais e melhor

26 de novembro de 2013

Nesta edição, MELHOR – Gestão de Pessoas apresenta um projeto gráfico novo. Um novo padrão para texto, com páginas mais arejadas e com uma utilização de cor diferente do que era feito antes. A palavra-chave que norteou o trabalho desenvolvido nos últimos meses pela Casa Paulistana Design & Comunicação foi orientação. A razão não poderia ser outra: líder em seu segmento, a publicação oficial da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Nacional) é uma importante ferramenta e fonte de conteúdo para o gestor de recursos humanos e de pessoas que buscam caminhos, ideias e reflexões para melhorar suas carreiras e a gestão de suas empresas – bem como bons resultados.

 

Melhor - Gestão de pessoas

“A revista está mais sinalizada graficamente, o que permite ao leitor ‘navegar’ melhor pelas informações”, diz Milton Rodrigues Alves, diretor da Casa Paulistana Design, que coordenou o projeto criado pelo editor de arte da mesma empresa Cleiton Sá. Um exemplo disso são os links de textos a partir de uma determinada palavra em uma matéria. Esses hiperlinks, agora, ganham um novo visual, com mais destaque, ressaltando o conceito selecionado. As seções também ganharam mais destaque, com uma tarja até o fim da página.

“Todo o processo de sinalização começa já na capa, com a utilização de dois sinais gráficos que, embora discretos, cumprem bem esse papel”, afirma Alves. Um deles é uma espécie de triângulo, que funciona como uma seta e que vai percorrendo as páginas da revista. O outro é o bom e velho sinal +. “Esses sinais, aplicados nos lugares certos, conduzem o leitor pelos textos e imagens”, diz o diretor da Casa Paulistana.

O símbolo +, aliás, vai orientar o leitor a encontrar os boxes e outras caixas de texto, como legendas e informações complementares ao tema. “Ele estará desmembrado, porém destacando esse conteúdo com o uso mais valorizado das cores”, acrescenta Alves.

“Queremos ressaltar que a revista traz um conteúdo de referência para o profissional de RH e para todos aqueles que se preocupam em melhorar a gestão de pessoas de uma empresa. A mudança gráfica é um passo de outros que daremos para tornar MELHOR uma leitura cada vez imprescindível”, afirma Gumae Carvalho, editor da revista. Agora, é aguardar outras novidades.

Melhor - Gestão de pessoas

 

A evolução é nítida, mas ainda há muito o que conquistar. Essa pode ser uma das várias avaliações sobre a trajetória da área de recursos humanos nos últimos anos. Ao menos para mim que, há pouco mais de uma década, tenho estado em contato com inúmeros profissionais ligados a esse tema. Costumo dizer que são poucas as áreas que passaram por tanta transformação como a de RH. E nem todas receberam a devida importância quanto ela. Basta perceber como o discurso de que as pessoas são importantes para os resultados de uma empresa é comum ou quanto se fez para criar melhores condições de trabalho, para criar um sentimento de propósito e de pertencimento nas organizações. Isso sem contar com a preocupação mais forte em desenvolver e formar líderes capazes de liderar pessoas.

Pode soar estranho o que acabei de escrever, mas é que vemos tantas lideranças cuja principal preocupação não são as pessoas. Esses “líderes” focam seu interesse e energia em outras coisas, deixando de lado o lado mais crítico de uma companhia. Pautam-se por uma visão míope, até mesquinha em algumas situações, sem se importar com quem eles servem: os demais colaboradores. 

Mudar esse cenário é um desafio que acompanha há algum tempo o RH. E que traz para ele também o desafio de saber liderar. Para isso, é preciso que ele saiba sair da caixa e, assim, olhe para o mundo com outros olhos. Por essa razão é que ainda há muito o que fazer. Um passo importante é perder o medo de seguir em frente. Isso significa mostrar-se para a empresa, para o setor em que atua, para a sociedade, ampliar as suas competências e fazer a diferença. Parece muito? Sim. E é muito o que o mundo nos pede. Se não se conseguir muito na quantidade, ao menos que seja na qualidade. 

E o que seria essa qualidade? As respostas podem variar, mas, apesar disso, terão um traço comum: desenvolver pessoas. Propor mudanças significativas (e de qualidade) dentro e fora do mundo corporativo pressupõe preparar o ser humano, tendo como base todas as suas dimensões. Nesse sentido, convém destacar a conquista do selo de Status Associativo que a Associação Brasileira de Recursos Humanos recebeu recentemente do Departamento de Informação Pública das Nações Unidas (DPI/ONU). A ABRH-Nacional é, hoje, a única entidade de recursos humanos, em todo o mundo, que possui esse status.

Isso significa que a associação poderá, por meio de sua presidente, Leyla Nascimento, participar de eventos das Nações Unidas, como a Assembleia Geral da ONU e outras conferências, além de poder fazer parte de comitês, receber notícias e informações de outras organizações nãogovernamentais ligadas à entidade, apoiar o trabalho da ONU e divulgar seus temas e propósitos nas ações de desenvolvimento humano. Isso significa que os desafios agora são maiores. Orgulho e responsabilidade crescem na mesma proporção.

Que o exemplo dessa conquista sirva para todos os profissionais de recursos humanos. Que cada um, em sua empresa, veja que é possível fazer a diferença, que é possível, quando se tem uma missão clara e valores nobres, ser um excelente líder e propor mudanças significativas na sociedade. Que é possível sair da caixa sem se machucar e conquistar o mundo.

Gumae Carvalho é editor da revista MELHOR Gestão de pessoas

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail