Gestão

Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social – Organização Cidadã

Da Redação
13 de novembro de 2014
Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social - Organização Cidadã Prêmio Ser Humano


Ambulatório de Dermatologia Sanitária da Secretaria Estadual da Saúde (RS)
Case: Promovendo o acesso a testes rápidos de HIV, sífilis, hepatites B e C para pessoas em situação de vulnerabilidade: A experiência pioneira do Centro de Testagem e Aconselhamento do Ambulatório de Dermatologia Sanitária

Buscando ampliar o acesso ao diagnóstico e tratamento, o CTA/ADS foi o primeiro no Rio Grande do Sul a implantar a testagem rápida de HIV, sífilis e hepatites B e C para todos os seus usuários, constituindo mudança importante no serviço oferecido.

Desde outubro de 2012, a pessoa é acolhida, recebe aconselhamento individual e informações sobre as doenças, inclusive sobre transmissão, prevenção e tratamento, além de apoio emocional no momento da testagem e possível diagnóstico. O resultado de seus exames é entregue, em média, em 40 minutos.
Justifica-se a implantação dessa política pela elevada taxa de incidência de Aids no estado (40,2 casos para 100 habitantes), quase o dobro da média nacional (20,2).

Desde a implantação da testagem rápida, o número de pessoas atendidas aumentou 130%. O percentual de resultados de exames não entregues caiu de 20% para 2,4%. Também foi identificado o aumento de exames entre populações consideradas mais vulneráveis: profissionais do sexo, usuários de drogas, portadores de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), homens que fazem sexo com homens, travestis, transexuais e pessoas em exclusão social.
Mais informações: cta-ads@saude.rs.gov.br 

Associação Educadora São Carlos – Hospital Mãe de Deus (RS)
Case: O tempo da semeadura de sonhos: Garantindo os direitos humanos infanto-juvenis por meio do trabalho educativo

No contexto de vulnerabilidade social, pensar em escolhas e sonhos parece até um privilégio. Assumindo o desafio de mudar essa realidade, apostando na potência das escolhas e do sonho, o Hospital Mãe de Deus, com seu trabalho comunitário na Vila Gaúcha, desenvolve desde 2004 o Programa Trabalho Educativo, em convênio com a Fundação de Assistência Social e Cidadania (FASC) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

O objetivo é disponibilizar e construir um espaço de convivência, onde a formação tenha como foco a participação e o exercício da cidadania. Os jovens considerados em situação de vulnerabilidade social, de 14 a 17 anos, participam de atividades e ações promotoras de emancipação e práticas de autonomia.
Pouco a pouco, os profissionais foram descobrindo que precisariam, mais do que de educadores, serem catalisadores de sonhos, capazes de impulsionar a imaginação dos adolescentes. Desde 2004, 156 adolescentes ressignificaram seu projeto de vida, conciliando a educação na escola regular com a permanência no Programa Trabalho Educativo, sediado na própria comunidade.

O serviço possibilita aos jovens a experimentação das escolhas para além da repetição da violência, mantendo-se vinculado ao seu cotidiano, ao seu território como terra fértil para a materialização dos sonhos, desconstruindo o pensamento de carência pela ideia da potência.
Mais informações: arlete.fante@maededeus.com.br 

Companhia Águas de Joinville (SC)
Case: Pró-Acessibilidade: Um passo além da acessibilidade
O Programa Pró-Acessibilidade tem como objetivo trazer um novo entendimento para o tema da acessibilidade, no que tange ao atendimento comercial e técnico para pessoas com dificuldades de locomoção e/ou com mobilidade reduzida na Companhia Águas de Joinville. Depois do atendimento a uma idosa com deficiência, que chegou cansada e com muitas dificuldades até o atendimento presencial, foi pensada uma proposta para suprir essa necessidade, com foco especializado, resolutivo e domiciliar. Surgiu, então, o programa, que prioriza atendimentos in loco, parcerias com entidades que prestam atendimento a esse público e um trabalho interno com os atendentes, destacando o atendimento com sensibilidade e atenção às especificidades de cada um.

Em 2013, foram realizados mais de 500 atendimentos virtuais e, no primeiro semestre de 2014, a empresa contabilizou mais de 170 visitas. Além disso, foi verificada maior sensibilidade no atendimento aos clientes preferenciais nos postos presenciais. O portal de atendimento da companhia marcava cerca de 2% de seus clientes como preferenciais e hoje já são cerca de 8%. Os resultados positivos são atribuídos à efetividade do projeto. O atendimento com qualidade é uma das metas da Companhia Águas de Joinville e, com toda a certeza, para os atendentes, a acessibilidade é um conceito do passado: a era agora é da pró-acessibilidade.
Mais informações: nucleosocial@aguasdejoinville.com.br 

#Q#

CVI Refrigerantes (RS)
Case: Coletivo Coca-Cola – Aplicação do projeto na área de atuação da CVI Refrigerantes

O Coletivo Coca-Cola, projeto idealizado pela Coca-Cola Brasil e desenvolvido em parceria com seus fabricantes, tem o objetivo de preparar jovens de 15 a 25 anos para o mercado de trabalho por meio de cursos de capacitação profissional. A CVI Refrigerantes, fabricante autorizada da Coca-Cola Brasil, oferece uma unidade do curso em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul.
O projeto é desenvolvido em parceria com a ONG Projeto Nações em Ação, na qual uma sala foi reformada e equipada para receber todos os alunos. O curso tem duração de dois meses e é focado na preparação para o mercado de varejo.

Além de teóricas, as aulas também são práticas: ao final, os alunos têm a oportunidade de aplicar seus conhecimentos elaborando planos de negócio para comércios locais. Outra vantagem é que todos os participantes recebem auxílio no encaminhamento para o mercado de trabalho, por meio do envio de seus currículos às empresas parceiras do projeto.

Hoje, o Coletivo está presente em 150 comunidades espalhadas por todo o país e já formou mais de 70 mil jovens. Somente a unidade da CVI Refrigerantes já capacitou 369 jovens, dos quais ao menos um terço já está formalmente empregado. A expectativa é de que, até o final de 2014, mais 100 jovens se qualifiquem por meio do programa.
Mais informações: www.cvi.com.br/social/coletivo / Tel. (55) 3290-1573

DMAE – Departamento Municipal de Água e Esgotos (RS)
Case: Trabalho social em saneamento: Uma experiência comunitária

Na implantação da Gestão em Saneamento, o DMAE objetiva a universalização e promoção da saúde e da qualidade de vida e promoção da sustentabilidade dos serviços. A partir disso, entre 2010 e 2012, foi desenvolvido um projeto piloto de Trabalho Técnico Social, com equipe multidisciplinar, no sistema de esgotamento sanitário Sarandi, em Porto Alegre.

Foi percebido que não havia participação das pessoas nas obras de esgotamento sanitário: o poder público construía redes, mas as ligações domiciliares não eram realizadas. Ou, quando as pessoas faziam essas ligações, descartavam lixo nelas e as obstruíam. O objetivo era mostrar que o Trabalho Técnico Social podia auxiliar na resolução de problemas em conjunto com a comunidade.

A metodologia aplicada foi de fomentar a participação social por meio da mobilização e organização comunitária; educação sanitária e ambiental e controle social. Foi utilizado um conjunto de instrumentos concomitantes – qualitativos e quantitativos – para que se pudesse informar, esclarecer, ensinar, apreender, fiscalizar, controlar, planejar, discutir, brincar, passear e conhecer.

Nesse enfoque, os benefícios oriundos das atitudes e mudanças de comportamento permitiram o desenvolvimento das competências: análise, decisão, planejamento e pesquisa, ou seja, o que os atores sociais precisam para o pleno exercício da cidadania, de forma que a sustentabilidade dos empreendimentos locais seja alcançada.
Mais informações:andreia.costa@dmae.prefpoa.com.br ; aprendizagem@dmae.prefpoa.com.br 

Leme – Laboratório de Endocrinologia e Metabologia (BA)
Case: Programa de voluntariado corporativo – Sementes do Leme
A criação do Sementes do Leme foi motivada pela necessidade de consolidar ações sociais já praticadas pelo Leme em um programa único de voluntariado corporativo, que permitisse mobilizar o público interno nas causas de responsabilidade social e ampliar a atuação social externa da empresa.

O programa possui uma estrutura corporativa com regras claras, modelo de gestão definido, utilização de indicadores para avaliação de resultados e outros elementos que garantem sua consistência. Colaborar para a melhoria do desempenho de organizações públicas ou sem fins lucrativos da área de saúde, com foco de atuação voltado para educação e gestão, é o objetivo principal.

A participação nas ações do Sementes do Leme, além de trabalhar o sentimento de pertencer, fez com o que os colaboradores enxergassem a importância do compromisso firmado, a necessidade e utilidade do serviço prestado para as comunidades atendidas. Esse envolvimento acabou funcionando como uma importante ferramenta motivacional na gestão de pessoas.

Por todos os resultados obtidos em apoio às instituições AMA (Associação de Amigos do Autista da Bahia), Nacci (Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil), Grupo Vontade de Viver e Fundação Lar Harmonia, o Leme acredita que, ao dar continuidade aos objetivos do programa, ampliando sua atuação, devolve à sociedade tudo que vem conquistando ao longo de 42 anos.
Mais informações: www.sementesdoleme.com.br 

Portobello (SC)
Case: Projeto Coral Anjos Luz Portobello

Composto por filhos de funcionários, o coral foi criado em 2004, no 25º aniversário da Portobello. Para comemorá-lo, foi realizado um evento que também homenageou os funcionários com 15, 20 e 25 anos de casa com canções interpretadas pelos próprios filhos. Em dezembro do mesmo ano, a empresa reuniu o mesmo grupo de crianças para cantar músicas natalinas. Nascia o Coral Anjos Luz Portobello.
O coral é um projeto da área de Responsabilidade Social, que, entre seus objetivos, auxilia crianças e adolescentes no processo de apropriação, transmissão e criação de práticas músico-culturais como parte da construção de sua cidadania.

Além da música como essência, a formação da criança é ampliada com o desenvolvimento de várias questões, como cidadania, respeito, espírito de grupo, organização e expressão corporal, entre outras. Dessa forma, o coral abraça a responsabilidade de interferir significativamente na educação de seus participantes.

Tem sido constatado que a atividade pode ser contemplada num âmbito educativo e sério de reconstrução de conceitos e valores. Se cada criança ingressa no coral pelo simples prazer de cantar, não imagina os inúmeros benefícios com os quais está sendo contemplada. São vivências e experiências que se refletem na sua vida hoje e se refletirão no futuro.
Mais informações: leilaanjos@portobello.com.br  (Leila dos Anjos Costa – Coordenadora)

Rovitex Indústria e Comércio de Malhas (SC)
Case: Para vencer o jogo da ergonomia

Há três anos, a Rovitex vem tratando com sucesso a questão ergonômica, assemelhando-se a um time de futebol bem entrosado. Por meio da contratação de um consultor na área, foram apontados os riscos ergonômicos na companhia. Com a empresa monitorada através da análise ergonômica, chegava o momento de montar o time, escolher cada membro para evitar que a bola do adversário – ou seja, a lesão ergonômica do trabalhador – chegasse até a defesa.

Assim, foi montado o time para entrar no Jogo da Ergonomia. Foram várias etapas para formação da equipe, treinamento das frentes de trabalho e sensibilização. Com muitas dessas etapas realizadas, o passo seguinte foi avaliar a percepção dos trabalhadores em relação à melhora das condições de trabalho, com foco em conforto físico e fadiga.

Um dos setores de maior impacto foi o de costura, com substituição de cadeiras, ajuste de altura das mesas e implantação de tapetes antifadiga. Essas ações geraram grande proporção de percepção positiva em diversas regiões do corpo: 82% para coluna, 76% membros superiores e 79% para membros inferiores. As respostas positivas para fadiga e satisfação foram respectivamente 79% e 83% dos entrevistados.

A Rovitex sabe que essa partida só está começando e o time está atento às mudanças que a empresa sofre – seja no tocante a maquinário, layout ou ampliações – visando garantir a vitória sempre.
Mais informações:viviane@espacolaboral.com.br ; gilvania.vilvert@rovitex.com.br 

#Q#

Simers – Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (RS)
Case: Trote Solidário Simers – Tradição universitária transformada a serviço da vida e da cidadania
Desde 2009, o Núcleo Acadêmico Simers (NAS) mobiliza faculdades médicas na realização de um importante projeto social: o Trote Solidário da Medicina do Rio Grande do Sul. A proposta foi introduzida nas faculdades médicas do estado como alternativa à prática tradicional da recepção aos calouros, que incluía risco e humilhação, promovendo indignação e medo na sociedade.

No Trote Solidário, veteranos e novos alunos da capital e do interior se engajam para coleta de alimentos, a serem distribuídos a entidades assistenciais, e doação de sangue, que contribui com os estoques de hospitais e hemocentros.

Em seis anos, 3,1 mil alunos tornaram-se doadores e foram distribuídas 100 toneladas de alimentos não perecíveis a entidades assistenciais e comunidades em situações de carência, em Porto Alegre, Pelotas, Rio Grande, Canoas, Santa Cruz do Sul, Viamão, Bento Gonçalves, São Lourenço do Sul, Passo Fundo e Lajeado. Isso significa alimentar duas mil famílias, além de beneficiar pessoas através de hemoderivados.
Entre as universidades que participaram da ação estão: PUCRS, UCPel, UCS, UPF, UNISC, UFCSPA, UFPel, FURG e UFSM. De pioneiro entre os gaúchos a evento multiplicador de trotes similares em outros cursos, o case é um bem-sucedido projeto de promoção de cidadania e qualidade de vida, construído de forma coletiva pelos futuros médicos, que já iniciam capacitação profissional alinhados com o compromisso de fazer o melhor pelas pessoas.
Mais informações: diego.baisch@simers.org.br 

Unimed de Blumenau — Cooperativa de Trabalho Médico (SC)
Case: Projeto de Inclusão Produtiva – Coopergips

O Projeto de Inclusão Produtiva é desenvolvido pela Unimed de Blumenau junto à Coopergips (Cooperativa dos Grupos de Inclusão Produtiva, polo Garcia), em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, para incentivar a geração de trabalho e renda e valorização e qualidade de vida da mulher, além de promover os princípios do cooperativismo.

Inicialmente, a Coopergips confeccionava apenas produtos artesanais e, a partir da parceria, um de seus núcleos passou a confeccionar produtos descartáveis de hotelaria hospitalar que são adquiridos pela Unimed. Essa parceria permitiu o desenvolvimento de um portfólio com mais de dez produtos somente em produtos hospitalares.

Nesse período, a Unimed de Blumenau ofereceu: formação sobre qualidade na confecção, orientações sobre saúde, cooperativismo, negociação, segurança, ações de valorização da mulher, doações de equipamentos e materiais dentre outras.

Por meio de pesquisa realizada, 88% das cooperadas relatam melhora na renda; 69% passaram a cuidar mais da saúde, 54% tiveram interesse em realizar novos cursos, 54% melhoraram o relacionamento familiar e 31% voltaram a estudar.

A Coopergips atualmente conta também com uma estrutura administrativa, demonstrando que o projeto trouxe desenvolvimento profissional e pessoal, além de benefícios às famílias e à comunidade.
Mais informações: responsabilidadesocial@unimedblumenau.com.br 

USBEE – Colégio Marista Rosário (RS)
Case: Grupo de Voluntariado: Desenvolvendo agentes de transformação social

Com cerca de 2,6 mil estudantes, o Colégio Marista Rosário, instituição de educação centenária, desenvolve o Projeto Solidariedade, que engloba o trabalho do Grupo de Voluntariado. Fundado oficialmente em 2007 por dez alunos, o grupo conta hoje com o trabalho de cerca de 70 estudantes de 8ª série e ensino médio, incentivados para contribuir com mudanças sociais e imbuídos do espírito de solidariedade, um dos norteadores da educação marista.

O objetivo desse grupo é proporcionar experiências de voluntariado em equipes organizadas, contribuindo na formação dos estudantes como cidadãos e cristãos capazes de fazer a diferença nos diversos ambientes por onde circulam. Suas atividades são coordenadas pelo Setor de Pastoral Escolar e contam com o acompanhamento de uma agente de Pastoral. Durante todo o ano letivo são realizadas atividades sistemáticas nas seguintes instituições: Asilo Padre Cacique, Escola Marista de Educação Infantil Menino Jesus, Centro Social Marista Ir. Bortolini e Lar Santo Antônio dos Excepcionais, em Porto Alegre.

Antes das ações, os jovens participam de encontros destinados à preparação de dinâmicas de abordagem e interação com as crianças ou idosos, o que garante maior integração e efetivação dos objetivos. Normalmente são realizadas oficinas de teatro, pinturas de rosto, mágicas e brincadeiras muitas vezes concebidas pelos próprios voluntários por meio de sua formação escolar.
Mais informações: daniel.piccinini@maristas.org.br (Coordenador de Pastoral Escolar) ; grace.barreto@maristas.org.br  (Agente de Pastoral); ascomk.rosario@maristas.org.br (Comunicação & MKT)

Vitória Provedora Logística (RS)
Case: Vitória da vida: Combustível para um trânsito seguro

Atuando no setor de transporte de cargas desde 1999, a empresa utilizou seu conhecimento para trabalhar pela conscientização no trânsito. Com o objetivo de contribuir para diminuir as estatísticas de acidentes no trânsito, que matam mais de 40 mil pessoas por ano no Brasil, a Vitlog desenvolve ações de educação ao longo do ano, junto a seus colaboradores, entidades parceiras e a comunidade. Em iniciativas como a Blitz de Carnaval, que aborda os motoristas na véspera do feriado, Alegrando a Vida, levando a educação no trânsito para as crianças, Carreata de São Cristóvão e Caminhada pela Vida, que chamam a atenção para a segurança, e palestras sobre as responsabilidades de cada um no trânsito, entre outras ações, os colaboradores da Vitlog se engajam e participam como voluntários.

Incentivando e desenvolvendo a conscientização da comunidade atingida pelo projeto, dos colaboradores da Vitlog Transportes, profissionais de outras organizações, adultos ou crianças, a empresa, desde 2007, já impactou diretamente mais de 35 mil pessoas com a mensagem de um trânsito mais seguro. Em sua página no Facebook, a Vitlog também gera conteúdo sobre o trânsito, já tendo atingido mais de 27 mil usuários.
Mais informações:dioletesilva@vitlog.com.br  (Coordenadora de Cultura Organizacional)

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail