Gestão

Novas reflexões

14 de Fevereiro de 2014
Laira Seus
Laira Seus, da ABRH-RS: Discutir modelos de gestão que agreguem todas as gerações

O mercado ainda está um pouco assustado com as características da nova geração e em diversos momentos percebe-se o despreparo de gestores e de empresas em promover as mudanças que se mostram necessárias e urgentes. “Estamos em um tempo de mudanças de paradigmas. Os novos comportamentos e expectativas dos profissionais, principalmente dos jovens, estão pressionando as empresas a adotarem mudanças significativas nas relações com seus empregados. O modelo atual surgiu há mais de 50 anos e não reflete mais a atualidade”, diz o consultor, autor e expert em conflitos de gerações, desenvolvimento de jovens talentos e redes sociais Sidnei Oliveira.

A ABRH-RS, para ajudar as organizações a entender esse novo cenário, promove, no dia 27 março, um seminário sobre gerações. “A troca de experiências pode tirar da confusão muitos gestores que hoje se perguntam: como buscar o comprometimento dessa geração? O que devo fazer para que os jovens se interessem, estejam motivados? Qual meu papel como gestor?”, diz Laira Seus, vice-presidente de educação corporativa da ABRH-RS. “Não há receita de bolo, mas precisamos discutir, debater para conseguirmos identificar os modelos de gestão que mais se adaptam às diversas gerações inseridas no ambiente e também com as próximas que em breve chegarão.”

Atualmente, cerca de 20% dos líderes nas empresas já pertencem à geração Y, segundo aponta uma pesquisa do Hay Group. São jovens, em sua maioria, com elevada qualificação acadêmica – graduação, MBAs, inglês fluente etc. –, como lembra Oliveira, que tem presença confirmada no evento da seccional gaúcha da ABRH. “Toda essa qualificação aumenta a expectativa de ascensão, principalmente quando o jovem encontra nas empresas profissionais com qualificação acadêmica inferior. Contudo, isso traz efeitos negativos, pois a ascensão a postos de liderança não é composta apenas por conhecimento acadêmico, mas também por conhecimento tácito, adquirido com a experiência funcional”, diz.

Oliveira acrescenta que o foco em resultados ainda faz com que o líder da geração Y seja visto como “sem tato” por sua equipe. “Ele ainda precisa aprender a lidar com os relacionamentos interpessoais usando ‘ferramentas analógicas’, como conversas, olho no olho etc, e não apenas por meio dos instrumentos virtuais que domina com facilidade.”

Conectados

Sidnei Oliveira
Sidnei Oliveira, presença garantida no seminário da ABRH-RS, em março: flexibilidade e inovação

Oliveira concorda com Laira sobre não existirem fórmulas mágicas e infalíveis para resolver os conflitos advindos das gerações, contudo ele conta que flexibilidade e inovação são formas de criar novos processos que permitam explorar melhor o potencial da geração Y. “Um processo que precisa ser mais bem assimilado nas empresas também é a acessibilidade que é disponibilizada para os jovens, que atuam totalmente conectados e cada vez mais por meio de redes sociais”, diz . Ampliar o acesso do jovem a essas ferramentas é algo absolutamente prioritário nos próximos anos. Por essa razão, explica o consultor, a melhor referência que temos sobre empresas que lidam bem com a geração Y são as ligadas às novas tecnologias, principalmente as de internet, que, por serem de uma indústria relativamente nova e ainda sem muitos procedimentos rígidos, proporcionou um ambiente perfeito para acolher esses jovens. “Contudo, os Ys estão chegando em todas as indústrias e elas não tiveram o mesmo tempo para se adaptar às peculiaridades de comportamento deles”, comenta.

#L# Esse ponto reforça a importância do seminário da ABRH-RS. Não apenas para as empresas e gestores entenderem as mudanças pelas quais o mercado passa, mas, também, a importância de cada um fora da empresa. “Queremos que as pessoas pensem no seu papel de educadores, de pais e de quanto somos responsáveis por trazer uma geração  mais preparada para o mercado, pois muitos de nós temos, hoje, em casa, os ‘futuros’ profissionais de amanhã”, finaliza Laira.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail