Palavra dada, palavra cumprida

0
785

A sede da Rota do Mar, empresa que produz vestuários nos segmentos de surf e street wear, fica a 194 km de Recife, no município pernambucano de Santa Cruz do Capibaribe. Situada não apenas fisica, mas culturalmente na região, a organização se dedica a reforçar valores locais. “Estamos inseridos culturalmente no interior e, apesar de a sociedade em geral estar desvalorizando o valor da palavra, temos preocupação em manter tudo o que falamos. Nossa empresa possui um perfil de honestidade instituído pelo presidente, que tem origem humilde como muitos de nossos funcionários”, resume Ezequias de Souza, diretor de gestão de pessoas.

Anualmente, ao elaborar o plano estratégico do ano seguinte, a gestão leva em conta a sugestão de todos os funcionários, independentemente do nível hierárquico. O plano final é apresentado a todos de maneira transparente, mostrando o que foi ou não incorporado. Essa prática tem se mostrado efetiva, seja para ressaltar a credibilidade da empresa junto aos colaboradores, seja para valorizá-los.

Souza diz que a Rota do Mar enfrenta o desafio constante, comum no universo corporativo, de alinhar os anseios da equipe com os da empresa, sem deixar de lado a transparência. “A credibilidade não é construída da noite para o dia. Muitas vezes querem que afirmemos algo e não o fazemos porque temos a consciência de que ao fazê-lo teremos de executá-lo. Somos contrários a histórias bonitas com objetivos de mascarar a real intencionalidade. Acredito que é isso que traz confiança para todos os níveis”, declara.

O resultado é um ambiente em que a equipe se sente confiante, valorizada e motivada. Mariza Andrade, coordenadora do setor financeiro, afirma que tanto ela quanto os colegas percebem que a empresa é um exemplo para a cidade e região. “Outras estão nos copiando e quem ganha é o colaborador”, diz. “Para mim, a importância da credibilidade é imensa porque quando digo que trabalho aqui as pessoas me olham diferente, como se eu também passasse a ter mais credibilidade. Tenho orgulho de dizer que trabalho na Rota do Mar”, afirma.

No século passado, Euclides da Cunha tornou famosa a persistência nordestina ao publicar em sua obra Os sertões que o “sertanejo é antes de tudo um forte”. Se considerarmos “sertanejo” como sinônimo possível de “nordestino”, a mesma frase ainda serve para exaltar a região e sua gente: “O nordestino é antes de tudo, um forte”. O intuito é mostrar a força deste povo. E a Rota do Mar vai seguindo sólida ao levar adiante a fama. As práticas adotadas na companhia já estão servindo como guia para a gestão de empresas da região.

Boas práticas

> Funcionários de qualquer nível hierárquico podem dar sugestões para o planejamento estratégico anual. O resultado final é divulgado a toda a empresa e as propostas escolhidas são colocadas em prática.

> Acesso fácil aos presidentes e diretores. A política do contato próximo é muito forte.

> As atitudes da empresa são refletidas em seus processos e vice-versa. A gestão orienta a equipe a vivenciar as diretrizes bem como os princípios: Deus à frente de tudo, aprender a ensinar, busca constante pela qualidade do produto e pela qualidade de vida dos colaboradores.

 

[fbcomments]