Para não perder o foco

Núbia Matos
8 de novembro de 2012

Levantamento realizado pela Metlife com executivos de empresas em dez países mostra que a preocupação com finanças afeta diretamente a produtividade dos funcionários. Entre os problemas apontados estão o alto nível de estresse durante as atividades diárias e as faltas frequentes. A ideia é implantar um programa de saúde financeira para ajudar os funcionários a fugirem desse fantasma.

Veja o que pode ser feito:

– Estabelecer uma meta e medir os resultados
Pense no que a empresa quer atingir com o programa de saúde financeira: reduzir o estresse do funcionário, aumentar a fidelidade para com a empresa, melhorar a saúde financeira ou alguma outra coisa? Deve-se fazer uma avaliação formal dos resultados desejados que deverão ser a base do programa a ser criado.
 
– Criar uma mensagem relevante para o público-alvo
As necessidades e o conhecimento financeiro variam de acordo com o estágio de vida do consumidor, com a cultura do país e também dependem da disposição em receber aconselhamento financeiro. Essas considerações, junto com o reconhecimento da existência de diferenças devido à cultura, sexo e idade, aversão à risco e atitudes com relação à aposentadoria, ajudam a criar mensagens relevantes para cada público-alvo e aumentar a probabilidade de sucesso desses programas.
 
– Usar a criatividade para estimular a participação
A falta de uma gratificação imediata, de tempo, dinheiro ou conhecimento, ou simplesmente a recusa podem impedir o consumidor a melhorar seus conhecimentos financeiros. Devido a todos esses fatores, ajuda muito tornar o problema mais real para os funcionários com comunicações criativas e canais certos de distribuição.
 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail