Gestão

Para tornar a empresa mais ágil e feliz

Leyla Nascimento
28 de novembro de 2013

Ocupar o principal posto de liderança de uma organização não é uma tarefa das mais fáceis. Muitos se iludem pelo aparente glamour do cargo e acabam deixando-se levar pelo turbilhão de mudanças que são cada vez mais frequentes nos dias atuais. Sucumbem às demandas que vêm de todos os lados e de inúmeras formas. Ser um CEO ou presidente, nos dias de hoje em especial, pressupõe possuir um grau elevado de resiliência, ousadia e paixão.

As cobranças por resultado em um cenário, em alguns casos, desfavoráveis – sobretudo quando vemos países em estado de ebulição financeira e política –, exigem desse profissional o equilíbrio entre uma tomada rápida de decisão e uma grande reflexão sobre elas. Estar municiado de todas as informações possíveis sobre mercado, produtos, políticas, custos e, principalmente, sobre pessoas.

Sim, pessoas fazem parte, cada vez mais, da agenda dos CEOs e presidentes. São elas que, nas entrelinhas de um balanço financeiro, geram os resultados, em especial os da última linha. São elas que garantem a perenidade de uma companhia por meio de seu comprometimento, sua contribuição a um propósito.

É por essa razão que a área de recursos humanos deve estar colada a esses profissionais, traduzindo o clima organizacional, mostrando o real valor desse capital tão importante, desvendando o retorno dos investimentos em gente. Ao estreitar a parceria, esses dois atores preparam o terreno para transformar a organização, tornando-a mais resiliente, mais produtiva, mais ágil e, sobretudo e por que não, mais feliz.
A união dessas duas forças é um passo importante para a reinvenção da gestão de uma companhia. Nessa caminhada, um ancora o outro em um ambiente de colaboração sem igual. É nisso que acreditamos e é isso que vamos debater em nosso CONARH 2013. Conto com vocês nessa discussão!

 

Leyla Nascimento
Presidente da ABRH – Nacional

Reprodução

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail