Pegar quem vale a pena

0
489

Pressão. Assim pode ser traduzido o atual momento nas áreas de RH. De acordo com pesquisa da Mercer, o departamento responsável pela gestão de pessoas está na mira para cortar custos. O levantamento, realizado em maio e que contou com mais de 2,1 mil empresas participantes de mais de 90 países, mostra que 21% delas reduziram os investimentos planejados em serviços de RH nos últimos seis meses. E 23% estão propensas a fazê-lo até o fim deste ano.

Embora os resultados do estudo revelem as ações regulares das empresas para diminuir as pressões de custo – reduções do quadro de pessoal, congelamento de salários, redução das contribuições para os planos de aposentadoria e aumento de custos para os benefícios de saúde -, igualmente notável é o fato de as organizações, em geral, não estarem, ao mesmo tempo, tomando ações como corte de remuneração e eliminando programas de benefícios, em resposta ao período de baixa econômica. Veja, ao lado, alguns dos principais resultados.

Benefícios de saúde
Embora, frequentemente, a utilização dos benefícios de saúde aumente durante uma recessão, neste ano, a maioria das empresas (94%) não eliminou nenhum dos atuais programas de saúde ou de benefício de grupo. Ao contrário, a maioria delas aumentou as contribuições dos funcionários para cobertura de saúde e elevou a participação dos mesmos nos custos dos programas. Além disso, muitas organizações planejam fazer o mesmo com os planos de assistência médica dos próximos anos.

Durante os últimos seis meses, 29% dos participantes da pesquisa acrescentaram programas de bem-estar e outros 38% relataram estar propensos ou altamente propensos a fazê-lo. Somente cerca de um quarto daqueles que responderam a pesquisa aumentou as contribuições de prêmio.

Olhando para o futuro, as empresas estão muito propensas a adotar as mudanças que elas sabem que produzirão resultados previsíveis – continuar a aumentar as contribuições dos funcionários (58%), exigir participação nos custos (50%) e oferecer opções de planos de custo mais baixo (41%).

“Ao iniciar 2009, as empresas se voltaram para táticas já comprovadas pelo tempo que tivessem um impacto imediato nos custos”, disse Linda Havlin, sócia global da atividade de consultoria de saúde e benefícios da Mercer. Agora, elas estão explorando soluções mais estratégicas, incluindo bem-estar e mudança comportamental, que têm o potencial de provocar um impacto maior, ainda que em um prazo de tempo mais longo.

Gestão de talentos
Apesar do impacto da fraca economia, muitas empresas continuam focadas em seus funcionários mais valiosos. Globalmente, mais de um terço das organizações diz que continuará a empregar talentos chave, mesmo na eventualidade de reduzir seu quadro de pessoal. Outro terço planeja contratar talentos somente para reposição em alguns níveis, enquanto15% esperam reduções da força de trabalho em geral e 12% esperam expandir seu quadro de pessoal em 2009.

O estudo mostra que as empresas começam a usar ou cogitam usar sistemas alternativos de trabalho para controlar os custos com a mão de obra: em todo o mundo, 10% já instituíram reduções voluntárias de horas de trabalho, com redução da remuneração, enquanto 12% instituíram tal programa de forma obrigatória. Um igual número considera realizar ações similares no restante de 2009.

Benefícios de aposentadoria
Em relação aos planos de aposentadoria de contribuição definida (CD), 73% das empresas não planejam reduzir o valor de suas contribuições durante o restante de 2009. Observa-se que 14% delas já fizeram isso nos últimos seis meses. Até a realização da pesquisa, aproximadamente um terço das empresas já havia revisto a disposição geral de seus fundos e 33% reviram tanto as tarifas de investimentos como as administrativas, enquanto que 43% estão propensas a realizar essas ações até o final do ano.

Em relação aos planos de benefícios definidos (BD), 37% das organizações planejam obter uma compreensão maior sobre eles e tomar medidas para mitigar o risco inerente a esses planos. Nos últimos seis meses, 34% delas já fizeram isso. As empresas estão mais propensas a mudar sua estratégia de investimento para reduzir riscos do que alterar sua política de financiamento.

Na ponta do lápis

Revisão de investimentos em RH e integração de terceirizados são ações para reduzir custos, mostra pesquisa da Mercer

O RH continua sob pressão:
– 21% das empresas entrevistadas reduziram os investimentos planejados em serviços de RH nos últimos seis meses.
– Aproximadamente 23% das empresas estão propensas a fazê-lo nos meses restantes de 2009.

A integração de prestadores de serviços terceirizados ajuda a administrar os custos em geral:
– 13% das organizações em todo o mundo já tomaram essa medida nos últimos seis meses.
– E outras 25% delas podem integrar fornecedores terceirizados ainda em 2009.

[fbcomments]