Benefícios

Pequenas e médias empresas apostam na previdência privada

Carolina Sanchez Miranda
19 de novembro de 2014
Fabiano Lima / Crédito: Divulgação
Fabiano Lima / Crédito: Divulgação

Apesar do ano de vacas magras, o mercado de previdência privada corporativa cresceu em 2014. As grandes empresas continuaram apostando no benefício como diferencial na atração e retenção de talentos. A novidade é que as pequenas e médias empresas também estão investindo para conquistar os profissionais mais qualificados.

“A receita dos planos empresariais cresceu 23,5% de janeiro a setembro de 2014 no mercado de forma geral, enquanto a receita total dos planos de previdência privada cresceu 10,3% no mesmo período”, afirma Fabiano Lima, diretor de vida e previdência da SulAmérica. De acordo com ele, isso é resultado do aumento da participação de grandes empresas que já ofereciam o benefício e da entrada de pequenas e médias nesse mercado. “Na SulAmérica, 40% dos novos clientes corporativos são de pequeno e médio porte. Há quatro anos, esse número era próximo a zero”, complementa.

Na percepção de Mauro Guadagnoli, superintendente comercial da Brasilprev, nos últimos cinco anos, cada vez mais empresas têm oferecido planos de previdência para seus funcionários. “O que nós escutamos em relação à principal razão para essa tendência é sobre sua importância para a atração e retenção de mão de obra qualificada, que anda escassa no mercado. As médias empresas já começaram a disputar profissionais com as grandes corporações. Por isso, vêm sentindo a necessidade de aprimorar a gestão de pessoas. Temos percebido um incremento significativo nos clientes de médio porte e acreditamos que ainda há muito potencial nesse mercado”, analisa.

O mesmo vem sendo notado pela MetLife. “De 2013 para cá, sentimos um crescimento das cotaçõesde startups, com o objetivo de para atrair diretores para constituir essas empresas. É um benefício que os executivos estão exigindo”, observa Julio Medina, Diretor de Previdência e Investimentos.
Previdência cabe em orçamento enxuto

As grandes empresas costumam oferecer um plano de previdência privada em que contribuem com a mesma quantia que o funcionário, atingindo um valor de até 6% do salário dele, em média. Guadagnoli explica que esse é o chamado “modelo instituído”. Mas há também a possibilidade de se oferecer o benefício no modelo averbado, no qual apenas o colaborador contribui.

“A vantagem em ter o plano por meio da empresa em vez de individualmente são as condições comerciais favoráveis. Em função da coletividade, as taxas ficam diluídas no grupo”, explica Lima, da SulAmérica.

As empresas que desejam contribuir junto com o funcionário para tornar o benefício mais atrativo não precisam direcionar um grande orçamento para isso. “Com algo entre 2 e 3% da folha total já é possível oferecer um bom plano de previdência complementar”, diz o superintendente da BrasilPrev. “Além disso, as empresas que declaram pelo lucro real, podem deduzir parte o montante investido na previdência privada dos colaboradores. O teto da dedução corresponde ao total da folha de salários. Dessa forma, cerca de 1/3 do investimento no benefício é amortizado pela dedução do IR”, esclarece.

Planos fechados para grandes empresas
Segundo Medina, da MetLife, na constituição de um fundo de previdência privada de até R$ 30 milhões, os planos abertos oferecidos pelo mercado são vantajosos tanto para a empresa como para os colaboradores. Acima desse valor, é mais interessante constituir uma previdência fechada. “A empresa passa a ter um fundo multi patrocinado, que é como um condomínio. Dilui os custos e ganha melhorias na gestão do benefício”, afirma.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail