Pescar com as redes

12 de Fevereiro de 2014







Como tornar as redes sociais eficientes ferramentas de seleção? De acordo com o diretor de recursos humanos da Accenture , consultoria de gestão, serviços de tecnologia e outsourcing, Lauro Chacon, o principal benefício em utilizar esses canais para contratar talentos é ter um espaço para interagir mais com um público que já se relaciona com a empresa. “Quando temos um fã ou seguidor em nossa rede social, sabemos que essa pessoa tem algum interesse em nossa companhia”, diz. Para ter sucesso no recrutamento por meio de Facebook, Twitter, LinkedIn e outras mídias sociais, Chacon elenca cinco pontos essenciais a que as empresas devem estar atentas:

1> Registrar a vaga por meio de textos curtos e diretos que explicam a função e atividades do cargo;

2> Manter um canal aberto com os “fãs” para responder dúvidas com segurança e agilidade;

3> Ser assertivo quando escolher determinada vaga para cada uma das redes sociais;

4> Pesquisar os perfis que visitam, curtem e comentam as páginas das empresas para buscar os melhores;

5> Exigir dados atualizados dos candidatos, o que torna o processo mais ágil.

A Accenture usa esses canais para anunciar vagas de emprego, interagir com cerca de 100 mil fãs e encontrar o funcionário ideal. Em um concurso recente para a vaga de programador Siebel (software de gestão de clientes), a empresa registrou 244 candidatos que utilizaram as redes sociais para participar do processo de seleção.





> Contratações

Boas perspectivas para 2013

Pesquisa da CareerBuilder junto a 6 mil profissionais de RH no Brasil aponta que 71% das companhias pretendem aumentar o quadro de funcionários em 2013. Já 20% não esperam mudanças e apenas 5% devem fazer cortes de pessoal. As áreas que mais contratarão são: serviços ao consumidor, TI e administração. Para o consultor em gestão de pessoas Eduardo Ferraz, a onda de pleno emprego já está sendo percebida por aqui há mais ou menos um ano. “Vivemos uma situação muito favorável para pessoas com bom currículo, pois há mais vagas do que profissionais”, diz. De acordo com a pesquisa, as projeções de contratação no Brasil podem ser atribuídas ao fato de o país se preparar para sediar grande eventos esportivos e também Í  necessidade de melhoria de produtividade das indústrias.





Percurso


> Tyson


A Tyson do Brasil, quem tem seus negócios focados no segmento avícola, anuncia Yonder Kou como novo diretor de gestão de pessoas. Graduado em ciências da computação pela PUC-PR, Yonder possui também MBA em administração pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e especialização em RH pela FAE-PR. Antes da Tyson, o executivo atuou na Caterpillar Brasil, Perkins Motores e Detroit Diesel.

> TAM


A TAM Linhas Aéreas divulga a chegada de Marcelo Nobrega como vice-presidente de pessoas. O executivo é graduado e mestrado em ciências da computação na Universidade de Columbia e é doutor em engenharia industrial pela UFRJ. Nobrega ainda possui MBA em finanças pelo Instituto Ibmec. Recentemente, ocupou o cargo de diretor de RH para a América Latina na Reckitt Benckiser.

#Q#

> Terra


Tania Ludovico é a nova diretora global de RH do Terra. Formada em psicologia pela Unesp, pós-graduada em Human Resource Management pela Unip e com MBA executivo em gestão internacional de pessoas pela FGV, Tania chegou Í  companhia em setembro de 2010, como diretora de RH do Terra Brasil. Com mais de 15 anos de trajetória, ela já atuou em multinacionais como Global Crossings e
Boehringer Ingelheim.





MERCADO & CIAS.

> Comemorando 30 anos de operações no Brasil, a Mercer, consultoria global em talent, saúde, previdência e investimentos, expandiu seus negócios para o Rio de Janeiro, em um escritório situado no Edifício Galeria Sul América, no centro da capital fluminense. A nova estrutura visa suportar o crescimento verificado em projetos de consultoria em capital humano e em benefícios corporativos. A empresa conta com 400 funcionários em seus dois escritórios em São Paulo e no Rio de Janeiro.


> O Instituto Opus anunciou um novo programa para a área de construção civil. Trata-se da Avaliação Técnica de Operação, que permite avaliar o trabalho realizado pelos operadores de equipamentos de construção civil no ambiente de trabalho. O produto tem como metodologia a observação dos procedimentos dos operadores de equipamentos, que será complementada com uma entrevista com esses funcionários e seus gestores. Entre os itens avaliados estão o cumprimento das Normas Regulamentadoras, os procedimentos padrão antes do acionamento do equipamento e a aplicação e utilização correta da máquina. “A produtividade e a segurança são elementos primordiais na operação de um equipamento de linha amarela [construção civil]. Um operador que tenha exímio conhecimento técnico e prático do processo pode minimizar o risco de acidentes de trabalho, além de tirar o melhor desempenho da máquina, diminuindo as quebras e os custos com manutenção e consertos”, explica Wilson de Mello Jr., diretor do Instituto Opus. 

> A SER, empresa brasileira especializada em soluções para human capital management (HCM), encerrou 2012 com crescimento de 40% em faturamento em relação a 2011. De acordo com Sergio Falsarella Jr. (foto), diretor executivo da empresa, o interesse das organizações por soluções que as ajudem a gerir seu capital humano, reter os melhores talentos e ampliar a produtividade vem crescendo muito, o que justifica a expansão obtida em 2012. Para 2013, a expectativa é ampliar ainda mais a taxa de crescimento. “Acreditamos em um crescimento de 50% em faturamento. Muitas empresas postergaram seus investimentos em tecnologia para 2013 e temos uma série de propostas que devem resultar em contratos ainda no primeiro semestre”, completa.


> A Holomática, especializada em soluções integradas de RH, consultoria e tecnologia, registrou um faturamento de 32 milhões de reais no ano passado, valor 75% maior do que o obtido no ano anterior. A meta da empresa é alcançar 41 milhões de reais de receita em 2013. Boa parte do crescimento obtido em 2012 resultou da ampliação de contratos com empresas do segmento automotivo. “As montadoras estão investindo muito no atendimento ao cliente e no desenvolvimento de ações de marketing para pós-venda”, diz Eduardo Quadrado, diretor da Holomática.






Campanha

Astros da Casa

Promover funcionários que trabalham dia a dia na operação a estrelas de campanha publicitária. Essa foi a tática usada pela Renault para mostrar a expansão e o resultado comercial da marca ao longo do ano passado. A produção, feita pela agência de publicidade Neogama/BBH, conta com a participação de colaboradores do Complexo Industrial Ayrton Senna, situado em São José dos Pinhais (PR). O comercial, de 30 segundos, traz imagens da fábrica da Renault, dos modelos produzidos no Brasil e dos colaboradores ao fundo. O filme reforça o aumento da capacidade produtiva instalada no país e tem a assinatura “Renault, crescer com o Brasil é crescer com cada brasileiro”.






Case Toyota
Em maio de 2010, a Toyota também decidiu apostar na credibilidade de seus funcionários. A companhia veiculou na Europa uma campanha publicitária destinada a tranquilizar e reconquistar a confiança dos motoristas da marca. A campanha reúne depoimentos de colaboradores da empresa sobre os procedimentos de qualidade e segurança que envolvem a produção dos veículos.






Pesquisa


Mais peso no bolso


Contratar ou reter talentos está se tornando mais caro para as empresas em diversos setores, especialmente em São Paulo. É o que mostra recente levantamento realizado pela Page Personnel, empresa global de recrutamento especializado em profissionais de suporte Í  gestão e primeira gerência. Em alguns casos, como analista de banco de dados júnior, em São Paulo, a variação de salário – para cima – entre 2011 e 2012 chega a 90%. Para chegar a essa conclusão, a pesquisa levou em conta os informes de rendimentos de 30 mil profissionais entre 20 e 30 anos de São Paulo, Rio de Janeiro e do interior paulista. “Há falta de especialistas em determinados cargos. A combinação procura e oferta impactou o resultado desses salários e o ganho médio real desse grupo ficou acima da média do mercado”, analisa Roberto Picino, diretor-executivo da Page Personnel.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail