Gestão

Pontos de reflexão

Caroline Marino e Cristina Morgato
13 de Maio de 2011
Pianucci, da MetLife: conciliar três diferentes clientes do RH, que são os funcionários, os gestores e a alta direção

O que os jovens profissionais que atuam em recursos humanos esperam da área? Com relação aos aspectos gerais da profissão de RH, 69% dos 755 jovens desse segmento pesquisados pela NextView People, empresa especializada em estudos e pesquisa de tendências de gestão de pessoas, acreditam que a área terá cada vez mais importância nas companhias; 46% acreditam que há chances de construir uma bela carreira com investimentos em qualificação e 38% apontam “estratégias e remuneração” como foco para melhoria de conhecimentos.

O levantamento, encomendadopela Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Nacional) com vistas à elaboração do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas – CONARH 2011, mostra, ainda, que dentre as dificuldades que o jovem profissional de RH enfrenta no setor em que atua, a falta de reconhecimento, de oportunidade de entrada e crescimento na área, além da baixa remuneração e clima organizacional foram os pontos mais destacados pelos entrevistados. Para os profissionais com mais de dez anos de carreira, a falta de reconhecimento, profissionais despreparados, resistência à mudança, falta de visão estratégica e pouco investimento no setor são as maiores dificuldades encontradas no mundo corporativo do RH.

Mas nem só de dificuldades é feita a vida desses profissionais. A possibilidade de provocar um impacto positivo na vida das empresas e das pessoas é um dos pontos mais gratificantes de atuar na área, conforme diz o diretor de RH da MetLife Brasil Jair Pianucci. Ele é um dos 11 executivos de recursos humanos ouvidos por MELHOR para sondar quais, além dos pontos positivos, são os principais obstáculos nos próximos anos. Próximos de comemorar o dia do profissional de RH, em 6 de junho, nada mais justo do que ouvir deles suas expectativas. Para Pianucci, o maior desafio é conciliar as três diferentes expectativas dos três diferentes clientes primários do RH: os funcionários em geral, que querem e demandam serviços de RH eficientes; os gestores, que demandam ferramentas de programas de people management eficazes que facilitem o trabalho de atrair, reter e desenvolver gente dequalidade; e a alta direção, que espera que o RH aporte workforce solutions aos negócios e que se engagem na formulação das estratégias do negócio. “Essas três demandas são muito distintas e o atendimento delas requer um leque amplo de competências”, diz. A seguir, confira o que dizem outros executivos.

OUVIR A ORGANIZAÇÃO
Maria de Fátima Albuquerque , diretora de relações humanas da Totvs, começou sua carreira em TI, atuando em organizações como o Banco do Estado do Espírito Santo, estado onde também participou da direção de entidades de classe, como a Assespro e o Núcleo SOFTEX. Tornou-se, então, franqueada (e fmais tarde funcionária) da Datasul, onde fez parte do Comitê de Integração na fusão entre a empresa e a Totvs (em 2008). Ingressou no RH em 2009.

Qual é o maior desafio em ser RH?
São vários. Ouvir a organização e, ao mesmo tempo, planejar e executar o que será diferencial para a estratégia da empresa, entender o que é mais valorizado pelas pessoas em cada nível de carreira ou área, além de construir programas que reflitam isso dentro do estilo da empresa e tornar o resultado visível a todos.
 
O que é mais gratificante em trabalhar com RH?
Mergulhar na alma da empresa e conhecer sua estratégia e expectativa, sem perder de vista os indivíduos, ter o apoio forte da alta administração e conseguir realizar projetos críticos, dentro de custos e prazos desafiadores e formar uma equipe motivada, capaz e com boa autoestima. Isso sem falar no fato de podermos fazer a diferença para o alcance das metas estratégicas e a para vida e os sonhos das pessoas.

GERAR CONFIANÇA
Formada em ciências da computação, Carla Sauer , diretora de RH da Sodexo Soluções de serviço on-site trabalhou em diversas áreas como comercial, controladoria, marketing e desenvolvimento de novos negócios, até migrar para o RH. A partir de 2007, tornou-se responsável por recursos humanos da empresa, que conta hoje com 16 mil funcionários.
 
Qual é o maior desafio em ser RH?
Acredito que o maior desafio está em conseguir gerar confiança e credibilidade nas ações que envolvem os colaboradores, buscando praticar políticas justas diante de um cenário de variadas demandas e da diversidade que compõe uma companhia. 

O que é mais gratificante em trabalhar com RH?
Muitos pontos são gratificantes para um profissional de RH, como o contato diário com as pessoas, o feedback quase sempre imediato sobre as ações realizadas; a oportunidade de gerar empregos promovendo a inclusão social e o desenvolvimento das comunidades locais; e as oportunidades de crescimento e desenvolvimento para as pessoas que trabalham em nossa empresa.

ATUAÇÃO ESTRATÉGICA
Desde 1988 na empresa, Eliane Aere , diretora de RH da Ticket, passou pelas áreas de customer services, comercial, gestão organizacional, tecnologia da informação e operações, e, em 2005, assumiu a missão de fazer a gestão de duas importantes áreas: tecnologia da informação e recursos humanos. Eliane é formada  em Direito e possui pós-graduação em Tecnologia da Informação.

Qual é o maior desafio em ser RH?
O maior desafio para uma área de recursos humanos, sem dúvidas, é ter uma atuação estratégica e empreendedora dentro da companhia. Quando o RH demonstra que conhece o negócio e que suas propostas e ações estão alinhadas à estratégia da empresa, e colabora com a evolução dos negócios, ele abre portas para o diálogo e orientação da liderança, tão necessários para o desenvolvimento dos colaboradores. 

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
Perceber o desenvolvimento dos colaboradores, não somente como profissionais, mas como pessoas. O RH tem uma missão transformadora e isso é muito gratificante. Sinto-me privilegiada por atuar em gestão de pessoas.

LIDAR COM A DIVERSIDADE
Milena Gentil , gerente de RH da Ericsson Telecomunicações, conta com mais de 12 anos de experiência em RH. com atuação em desenvolvimento organizacional, treinamento & desenvolvimento, comunicação interna, recrutamento & seleção, remuneração & benefícios e business partner, a executiva já atuou em empresas multinacionais de grande porte, como Goodyear, Robert Bosch e Ericsson.

Qual o maior desafio em ser RH?
Lidar com a diversidade, ou seja, criar programas que atendam a gerações diferentes e motivar profissionais com valores e necessidades diferentes é um grande desafio. Precisamos, assim, ser generalistas sem deixar de pensar em cada público que hoje está na empresa, atuando juntos, para gerar resultados sustentáveis para a organização.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
Sou apaixonada pela área. O mais gratificante é ver o colaborador crescendo profissionalmente na empresa. Ver, por exemplo, um estagiário evoluir e tornar-se um gestor, ser reconhecido pela sua equipe e pelos resultados que entrega. Contribuir para esse desenvolvimento, lidar com problemas diversos e encontrar soluções para que as pessoas se sintam motivadas com que fazem é, realmente, muito gratificante.

PENSAR O MACRO, SEM ESQUECER O MICRO
Dos 21 anos de história profissional de Carlos Magni , diretor de RH da Ibm Brasil, 19 foram dedicados à área de recursos humanos, sendo 15 anos em indústria automobilística, quatro em outras indústrias e dois em empresas de prestação de serviços. Formado em Administração de Empresas, o executivo possui três pós-graduações (desenvolvimento gerencial, políticas de RH e gestão empresarial), e atualmente se dedica a entender, cada dia mais, a cultura da IBM para ser mais efetivo para o negócio da empresa.

Qual é o maior desafio em ser RH?
O maior desafio é ser wide e narrow ao mesmo tempo, ou seja, pensar o macro sem nunca esquecer que o micro, quando mal gerenciado, pode ser devastador para a empresa e para o profissional de RH. Mas há outros, como entender as diferentes necessidades das gerações no que se refere a carreira, segurança, salário e benefícios e aconselhar a liderança dos negócios da empresa a tomar decisões, baseando-se na estratégia e necessidade do negócio e no que funciona para motivar e comprometer os colaboradores.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
Quando você constata que os funcionários entenderam o papel de cada um deles no sucesso da estratégia da companhia e se comprometeram com ela. Você percebe isto primeiramente nos resultados e, consequentemente, no melhora do clima. Até porque, qualquer pessoa gosta de ter sucesso, mesmo que ele venha por meio da empresa na qual trabalha, da comunidade com a qual colabora, do time do coração etc.

DIÁLOGO SOBRE VALORES
Com 26 anos de carreira em RH, principalmente em bancos como Unibanco, Citibank, Banco Nacional e Banco Interatlântico, Lilian Guimarães, vice-presidente de RH do Santander, liderou vários projetos voltados à importância do capital humano na gestão dos negócios, além de atuar em processos de fusão dos bancos ABN Amro e Real, Sudameris e Banco Real e, por fim, Santander e Real.

Qual é o maior desafio em ser RH?
O maior desafio é assegurar que o Fator Humano seja efetivamente levado em conta em tudo o que se faz, dentro e fora da organização. Isso porque apenas com indivíduos satisfeitos teremos funcionários engajados trabalhando pela satisfação de nossos clientes, rentabilidade de nossos acionistas e pelo desenvolvimento sustentável da sociedade.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
É extremamente gratificante lidar com pessoas, apoiar no desenvolvimento e direcionamento de suas capacidades, respeitando seus limites, além de estabelecer e fortalecer a confiança nas relações humanas. Outro ponto gratificante é estabelecer o diálogo sobre valores e temas individuais e coletivos, relacionados à essência da organização.

PREPARAR LÍDERES
Desde 1978 na Henkel, Eduardo Soares , gerente de RH Mercosul da empresa, já atuou em diversas posições dentro da área de recursos humanos da companhia e hoje é o responsável pela implementação das estratégias globais de RH como compensação, seleção, treinamento e desenvolvimento, administração de pessoal e expatriados na região do Mercosul. O executivo é formado em matemática e administração e possui MBA Executivo pelo IBMEC.

Qual é o maior desafio em ser RH?
O grande desafio é preparar os líderes para entender e saber como gerenciar jovens que têm seus valores e objetivos bem definidos, alinhando-os com os valores e princípios da organização. Desta forma, podemos atrair os melhores profissionais ao mesmo tempo que gerimos um processo de retenção eficiente. Mas, devido à escassez destes profissionais, o foco agora está em buscar jovens e desenvolvê-los na organização.

O que é mais gratificante em trabalhar com RH?
Atuar em RH é trabalhar com fatos e desafios novos a cada dia. Quando você pensa que já passou por tudo, no dia seguinte tem algo novo que você nunca vivenciou. Podemos perceber facilmente que uma contribuição do profissional de RH para o negócio em uma determinada ação pode trazer resultados excepcionais. A área tem, hoje, autoridade sem o poder e, portanto, a maior competência do profissional é a de influenciar e convencer seus líderes para tendências, mudança de cultura etc. E isso é muito gratificante.

TRANSFORMAR A EMPRESA

Célia Maria Dutra é superintendente de RH da Comgás desde março de 2002. Com mais de 20 anos de experiência na área, a executiva já atuou em empresas como RJ Reynolds Tabacos do Brasil (RJR Nabisco) e Aracruz Celulose S/A, além de ser membro da comissão de criação do CONARH (Congresso Nacional de Recursos Humanos).

Qual o maior desafio em ser RH?
Fazer com que o nosso trabalho agregue valor e resultado para o negócio e para as pessoas, assegurar que temos em cada posição o profissional certo e fazer com que as pessoas entendam que o RH provê ferramentas, mas não é responsável pela gestão de cada um – esta cabe ao gestor de cada área.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
Conseguir enxergar a transformação da empresa. O RH tem um papel muito importante na transformação, na cultura e nos valores de uma companhia. E ver o resultado deste trabalho é muito gratificante.

GERENCIAR CONFLITOS
Rosiney Acosta , gerente de pessoas da Brasilprev, possui 20 anos de experiência em rH e está há15 na empresa, onde tem atuação generalista, sendo responsável por remuneração e benefícios, relações trabalhistas, avaliação de desempenho, informações gerenciais de RH, planejamento e desenvolvimento de pessoas e administração de pessoal.

Qual o maior desafio em ser RH?
Saber gerenciar conflitos. Isso porque, como RH, somos mediadores e temos de lidar com as expectativas dos profissionais e os interesses da empresa que, muitas vezes, são divergentes. Além disso, quase sempre estamos no meio de conflitos entre equipe e gestor, ou entre áreas. São pessoas diferentes, com expectativas diferentes. Nosso trabalho, então, é conciliar o que as pessoas querem com o que a empresa tem a oferecer.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
Acompanhar os profissionais durante toda a carreira, entender o momento que estão vivendo e poder influenciar na vida deles para que se tornem mais felizes, é a maior recompensa. Além disso, é muito gratificante saber que as pessoas estão satisfeitas com resultados que ajudamos a proporcionar como gestores, e ver o entendimento da empresa com o colaborador.

DESENVOLVER PESSOAS
Há 36 anos na Petrobras, Lairton Corrêa de Souza deixou o jornal onde trabalhava em São José dos Campos para assumir o cargo de gerente de gestão do efetivo da companhia, após ser aprovado (totalmente sem pretensões) em um processo seletivo. Foi lá que conheceu o RH e se entusiasmou com a profissão.

Qual o maior desafio em ser RH?
Compatibilizar interesses da empresa com interesses das pessoas é um dos maiores desafios. O papel do RH é conseguir interpretar o que a organização (e a diretoria) deseja e o que os empregados querem e, assim, enxergar de maneira clara como pode ajudar. Acredito que o RH mecanicista trabalha com instrumentos e resultados, já o RH que vê o colaborador como ser humano dentro da empresa tem um trabalho muito mais desafiador.

O que é mais gratificante em trabalhar como RH?
O mais gratificante é saber que você pode por meio do seu trabalho contribuir com o desenvolvimento das pessoas e da empresa. Depois de 36 anos na Petrobras acompanhei a carreira de muitos profissionais que, depois de 30 anos, saíram da empresa com a sensação de dever cumprido e se despediram de mim com um abraço de agradecimento. Ver as pessoas crescerem, formarem família e evoluírem, e pensar no quanto o RH contribuiu com isso, é o mais gratificante. Sou extremamente motivado com o que faço.

O que os jovens pensam. E desejam
Para conhecer mais sobre o universo dos jovens profissionais de Recursos Humanos, que terá um eixo específico no Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (CONARH ABRH 2011), de 15 a 17 de agosto, o coordenador responsável pela formatação do eixo encomendou a pesquisa à NextView People para saber o perfil do jovem profissional que ingressa na área de Recursos Humanos. Participaram do estudo 755 jovens, graças a divulgação feita pelo portal de empregos Vagas.com.br.

A partir dos dados obtidos, o Comitê do CONARH ABRH preparará a grade de palestras para atender às necessidades desses jovens. Sob o tema Gente em Ação – Construindo Resultados , o congresso vem para atualizar e contribuir para que esses profissionais enriqueçam suas qualificações, tirem suas dúvidas, entrem em contato com as novas tendências do setor e enxerguem que apesar de algumas dificuldades são de fundamental importância para a integração do público interno e, além disso, vitais para o sucesso das estratégias e planejamentos das organizações, visto que as pessoas é que fazem a diferença para o negócio, apresentam propostas inovadoras e asseguram que uma organização se destaque sobre a concorrência.

Atração e retenção de talentos, capacitação profissional, RH estratégico, geração Y, gestão de conflitos, prospecção de novos negócios são alguns dos temas que a pesquisa revelou serem mais procurados no CONARH ABRH 2011.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail