Razão ou solução?

0
631
Eugênio Mussak
Eugenio Mussak é professor da FIA, consultor e autor

Eu penso diferente de você, mas vou defender até a morte seu direito de ter sua própria opinião.
Esta frase é atribuída a Voltaire, provavelmente dita para o filósofo genebrino Jean-Jacques Rousseau, um misto de amigo e oponente intelectual do filósofo francês. Mas, mesmo que não seja dele, a frase tem seu impacto, pois é o tipo de pensamento que se torna maior que seu autor. Ele envolve três questões que, quando caminham juntas, criam a trilha do mundo civilizado: a liberdade, o respeito e o discernimento.
Infelizmente com frequência falta um dos três nos mais diferentes tipos de relações humanas e quando isso acontece alguém será prejudicado, quando não todos os envolvidos. Quando falta liberdade, a pessoa não se manifesta; quando falta respeito, ela inibe a outra; e quando falta discernimento, a conversa não tem valor.

O que é uma pena, pois, como se sabe, é do diálogo que nasce o entendimento, e é por meio de sua prática que as ideias são ampliadas. A liberdade para expressar sua opinião pressupõe o respeito do outro em ouvi-la, ainda que não mude a sua em um milímetro sequer. E é esse exercício que colabora para o aumento do discernimento, da clareza do pensamento a respeito de um fato qualquer. 

Debater e defender ideais definem a qualidade do intelectual, aquele que está sempre atento a novos aprendizados e sabe que a conversa é uma fonte tão grande de conhecimento quanto um bom livro. Mas não pode ser uma conversa qualquer. Primeiro, tem de ter conteúdo, segundo tem de ter fluxo, ser um diálogo. Não há nada mais maçante do que um monólogo a dois.

#L# Recentemente encontrei um amigo em um bar. Aliás, este sim é um lugar para debater qualquer coisa, pois todas as opiniões são bem-vindas, principalmente aquelas que apimentam a discussão acompanhada por cevada, malte ou uvas fermentadas. Os antigos gregos discutiam filosofia tomando vinho, daí a palavra simpósio, que significa exatamente beber junto, aproveitando para filosofar, claro.
Voltando ao meu amigo, ele estava naquele lugar exatamente afogando as mágoas pelo fim de seu casamento. Quando conversamos, ele desabafou e, respondendo à minha pergunta sobre o motivo principal da separação, ele explicou:

– No começo, discutíamos tentando encontrar uma solução. Com o tempo, passamos a discutir querendo ter razão. Foi quando tudo desandou…

[fbcomments]