Gestão

Rumo ao controle emocional da equipe

Minoru Ueda
28 de novembro de 2013

Imagine a correnteza de um belo rio que está levando um belo barco em direção ao mar. O vento é refrescante e podemos ouvir até mesmo o deslizar do barco sobre a água. Em algumas horas, esse barco chegará ao seu destino: o mar aberto. Podemos dizer que a embarcação está fluindo em harmonia com as águas e por isso a consideramos uma imagem agradável. Contudo, o barco vai se aproximando de algumas rochas e fica preso, atrasando a viagem. Nessa hora, os tripulantes devem tomar alguma atitude para manter a fluidez da embarcação.

Essa é uma imagem simples que pode ser traduzida para o ambiente corporativo. Muitas vezes, ouço pessoas dizendo que o dia não passa, que as coisas não funcionam, que nada está fluindo. Ora, o que isso quer dizer? O que seria fluir? Por que o tempo não passa? O ser humano foi feito para fluir, para se movimentar livremente entre as situações. Entretanto, o que vemos é um grande desânimo quando percebemos que alguma coisa está fora dos eixos, quando temos obstáculos pelo caminho.

Somos felizes apenas quando estamos fluindo. Dessa forma, devemos saber o que nos faz fluir para manter o curso. É preciso parar de observar o obstáculo e fortalecer nossos pontos fortes. Sabe aquele conforto que sentimos quando finalizamos um projeto, a sensação de missão cumprida? Por que não sentimos isso o tempo todo? É porque não estamos fluindo como deveríamos! O que nos falta, então?

Quando fluímos, estamos tendo performances cheias de entusiasmo. Ou seja, estamos engajados em um projeto de corpo e alma e por isso nossa relação com o espaço e com o tempo muda completamente. O tempo passa, a produtividade aumenta, a equipe se relaciona mais etc. Para manter esse pique, é bom atentar para alguns passos que deve seguir, como estabelecer metas claras para você e para a equipe, ficar atento aos feedbacks e equilibrar competências e desafios:

> Estabeleça metas claras e objetivas junto à sua equipe.

> Perceba se está recebendo estímulos positivos ou negativos de acordo com as atividades que executa (feedback).

> Busque sempre manter o foco nos seus talentos e nos pontos fortes quando estiver tomando decisões.

> Equilibre no seu trabalho competência e desafios.

> Encare os desafios com espírito de aprendizado.

> Desenvolva a comunicação positiva – exemplo: o que posso aprender com isso?

> Enriqueça a experiência profissional com significados positivos: dê um sentido enriquecedor para sua atividade profissional.

Ao se dedicar às dicas elencadas, cada vez mais você estará praticando a liderança positiva, fluindo e totalmente envolvido com o seu trabalho. É muito importante frisar que os melhores momentos de nossa vida não são relaxantes, são aqueles que exigem mais dos nossos talentos e dos nossos pontos fortes.

Mas o leitor pode estar pensando: “E se eu me dedicar muito e mesmo assim não conseguir atingir as metas? O fim do mês já está aí!”. Muita calma! Sabemos agora que o estado de flow é uma experiência unificada. Porém, não podemos imaginar que somos capazes de ter influência sobre todos os eventos que nos circundam, mas podemos lhes dar significados fortalecedores e enriquecedores.

Vamos supor que este mês você não conseguiu atingir seus objetivos. Isso não pode significar uma derrota se você esteve engajado o tempo todo, se dialogou sinceramente com a equipe e se centrou em uma meta específica, verificando os feedbacks do processo. Quando estamos realmente fluindo, mesmo ao “perder a batalha” nos sentimos bem, porque o desafio foi gerenciado com nosso potencial e com a criação de novas habilidades e comportamentos. O ato de fluir elimina as ruminações internas que nos aprisionam em pequenas celas de insatisfação. Devemos estar sempre em estado de desafio, como diz Sócrates. Por fim, sugiro alguns exercícios iniciais para que você se coloque em estado flow. Faça a experiência.



>
O primeiro exercício consiste em planejar o tempo e delimitar suas tarefas diárias, fazer um checklist mesmo.

> O segundo: mantenha sempre contato com seus pontos fortes e tente perceber quais deles se aplicam na solução dos problemas.

> O terceiro: anote os feedbacks que recebe e reflita sobre eles.

> O quarto: pense como um artista; seja criativo em suas decisões e se entregue às atividades.

Exija mais de você mesmo, porém sem perder o contato com os seus talentos e pontos fortes. Ao fazer isso, você estará influenciando sua equipe e construindo um caráter resiliente, criativo e engajado. Aposte no seu talento, porque é a partir dele que você será lembrado.


Fluir
O fluir, ou estado de flow, é um dos temas da Liderança Positiva, uma gestão com foco nos pontos fortes das equipes. O psicólogo Mihaly Csikszentmihalyi concebeu a teoria do Flow (fluxo, em inglês), um estado mental que se alcança quando se está absolutamente envolvido em alguma atividade. Uma experiência que se baseia em um estado de concentração e foco que torna qualquer execução, seja esportiva, artística ou do dia a dia, mais espontânea. Para que esse estado se estabeleça, é preciso que haja um equilíbrio entre as habilidades que a pessoa tenha e o nível do desafio que esteja prestes a encarar. Se as habilidades forem maiores que o desafio, a pessoa pode se deparar com estados de tédio, relaxamento excessivo e apatia. Por outro lado, se os desafios forem muito maiores do que as competências, esse descompasso pode gerar ansiedade, preocupação e agitação. Segundo o psicólogo nascido na Hungria, que migrou para os EUA, onde é Ph.D. na Claremont Graduate University, na Califórnia, o Flow busca atingir o equilíbrio entre esses dois estados. Uma condição que requer metas claras e feedbacks imediatos.

Minoru Ueda é educador, escritor, consultor e pesquisador do comportamento humano

 

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail