Sair da área de conforto

0
483
Adriano Vizoni
Larissa, da Henkel: qualquer executivo chega ao novo país quase que zerado e precisa saber reunir as suas experiências para tomar as melhores decisões

Falar de expatriação é falar de desafios tanto para as empresas quanto para os executivos que participam desse processo. As primeiras passam a olhar para essa prática como um diferencial competitivo, enquanto, do outro lado, o profissional escolhido vislumbra uma grande oportunidade para construir uma carreira internacional e, assim, se diferenciar no mercado. Mas como é viver todo esse processo? A gerente de RH para serviços compartilhados na América Latina da Henkel, Larissa Barbosa, voltou recentemente de um período de dois anos na unidade da companhia na Alemanha, mais precisamente em Düsseldorf, e conta como foi essa experiência – e o que aprendeu com ela.

Desejo profissional
Larissa está na Henkel há cinco anos, sempre na área de recursos humanos. Ser expatriada era um grande desejo profissional e pessoal dela. “Nesse processo, o mundo se abre para você. Eu já vinha trabalhando para isso acontecer na minha vida desde que entrei na Henkel. Aqui, há um programa de desenvolvimento profissional, em três etapas, que garante esse crescimento. Ele consiste em fazer o profissional qualificado atuar em duas unidades de negócios, viver em dois países diferentes e ocupar dois cargos distintos para que possa ascender ao topo da estrutura organizacional.”

Apoio familiar
Especialistas são unânimes em afirmar que uma expatriação possui quatro fases: a primeira é a chamada “lua de mel”. Nela, o profissional e a família estão excitados com o novo que está por vir. O segundo momento é o de choque cultural, quando a família ou o próprio expatriado começa a se sentir desconfortável com as diferenças comportamentais e com o dia a dia que encontra. A terceira fase é a de ajustamento; nela começa um entendimento melhor e gradual da nova cultura e a sensação de isolamento vai diminuindo. Por fim, vem o estágio de entusiasmo, em que os expatriados passam a gostar da nova cultura e das rotinas diárias e começa a nascer um sentimento de pertencer ao local. Em todas essas fases, no entanto, o apoio da família, seja baseado apenas no cônjuge ou também nos filhos, é de vital importância para o sucesso da expatriação. Larissa lembra que ela sempre conversava com o marido sobre a possibilidade de trabalhar no exterior, desde quando começaram a namorar. Por isso, não foi nenhuma surpresa para ele quando a oportunidade surgiu. Militar do Exército Brasileiro, Bruno, o marido de Larissa, também enxergou uma boa oportunidade de crescimento na carreira com a ida para o exterior. “A viagem a dois ou em família ajuda muito. Você tem com quem dividir e aprender com as novas situações que vão surgindo. O Bruno pediu licença para fazer um mestrado em ação humanitária na ONU, em Genebra, durante oito meses. É mais fácil quando o cônjuge não abre mão da carreira apenas em função do outro, mas também vai em busca de um aperfeiçoamento da sua lá fora.”

Impacto pessoal
Para Larissa, o que mais impacta em uma expatriação é a parte pessoal. “Você já conhece a cultura da empresa. Então, consegue mais facilmente se adaptar ao novo estilo de trabalho e às pessoas com quem você passa a conviver no dia a dia da companhia. Há diferenças, claro, mas é um processo de adaptação mais fácil, embora haja o impacto de sair de uma área de conforto em termos profissionais. Já no aspecto pessoal, as mudanças são muitas e mais profundas.” Deixar a família no país de origem; ir a um supermercado e não encontrar o que estava acostumado a comprar; ter muitas opções culturais e de lazer às quais não estava acostumado, ou, ao contrário, não as encontrar com facilidade; ter de colocar gasolina no carro sem a ajuda de ninguém: essas são algumas tarefas ou situações novas que podem influenciar (e muito) no comportamento do expatriado e de seus acompanhantes. “Nós, brasileiros, somos muito atenciosos e carinhosos com todos os estrangeiros que recebemos, mas é uma característica nossa e não é essa a percepção na maioria dos outros países, principalmente na Europa, com quem não é de lá”, conta a executiva. “Düsseldorf é uma cidade muito internacional, onde as pessoas falam e entendem inglês muito bem e onde há grandes comunidades estrangeiras muito unidas. A japonesa, por exemplo, é uma das maiores do mundo. Mas sentimos que os mais jovens são os mais receptivos aos expatriados. Dividir as suas novas experiências e até mesmo as suas dificuldades com outros expatriados é também uma forma de se adaptar melhor e mais rápido à nova realidade”, ensina a executiva.

Ganhos profissionais
Para o expatriado, o mergulho em um novo mundo de conhecimentos também provoca novas representações, significados e a entrada em um terreno ainda um pouco desconhecido. “Digo que qualquer executivo chega ao novo país quase que zerado. Ele está fora da sua área de conforto, tem de mostrar muito serviço. É comum que a formação educacional dele, e até mesmo profissional, seja muito diferente, e isso faz com que ele tenha um olhar diferenciado, saiba reunir todas as suas experiências passadas para tomar as melhores decisões que, muitas vezes, precisam ser mais rápidas do que as que ele tomava aqui, no Brasil”, afirma Larissa. Ela conta ser imprescindível que o expatriado tenha apoio da empresa e dos novos colegas para uma boa integração. “Fui amparada em todos os momentos: no início do processo, antes da minha ida para a Alemanha, e agora, quando voltei para o Brasil. A empresa me ajudou na escolha do imóvel na Alemanha, na compra dos móveis, em toda a burocracia de uma expatriação, na definição do carro que ia ficar à nossa disposição. E isso é fundamental para uma mais rápida adaptação.” A proposta inicial de Larissa era ficar dois anos em Düsseldorf, com a possibilidade de renovar por mais um ano. Mas resolveu embarcar para cá ao final dos 24 meses. “Meu marido não podia prorrogar a licença do Exército e também achei que era a hora de voltar e aplicar, aqui, em novas funções, todo o conhecimento que adquiri nesse período.” Na volta, ela assumiu a função de gerente de RH para serviços compartilhados na América Latina, tratando diretamente com todos os aspectos que envolvem as unidades da Henkel do México para baixo.

A adptação da volta
“Voltar é uma adaptação também. Você não sabe mais direito se pertence novamente a aqui ou ainda está ligado à cultura e aos costumes do outro país. Cheguei em abril, mas ainda não me acostumei novamente ao trânsito maluco de São Paulo, ao tamanho da cidade. Enfim, é uma nova adaptação a tudo”, explica Larissa. Ela conta que para uma adaptação mais rápida, e também para o sucesso profissional, comunicação é a palavra-chave. “Preciso me colocar no lugar das pessoas, entender o que elas estão vivendo, saber os valores nos quais elas estão se desenvolvendo, ter e dar muito feedback e transparência para não ficar apenas na teoria e achar que ela serve para todos em todos os momentos e lugares. Em qualquer processo global de uma companhia, é preciso ter muito cuidado para não propor ou querer trabalhar em cima de formas e de conceitos mundiais que não fazem sentido em determinadas comunidades ou até países. Assim, preciso me comunicar, mas também preciso ouvir muito para tomar as decisões corretas.”

 

[fbcomments]