Soma de forças

0
447

Cada vez mais, as empresas apostam nos programas de trainees como a grande oportunidade de prepararem, desde cedo, jovens talentos, recém-formados, para transformá-los nos seus executivos de sucesso no futuro. Especialistas apontam que o ponto mais positivo desses programas é possibilitar uma troca mútua entre as companhias, normalmente multinacionais ou grandes corporações, e esses novos profissionais, já que as primeiras entram com o investimento e as ações de desenvolvimento e os jovens com o conhecimento e a experiência que adquirem – e que, em contrapartida, vão utilizar para beneficiarem a empresa que neles investiu. 

Reprodução
Simone, da Mars: ousadia e inovação no DNA das empresas

Os números desse mercado crescem significativamente ano a ano e já se fala nos programas de trainees como um segundo vestibular na vida dos jovens brasileiros. E como as opções são muitas e cada vez maiores no mercado, as áreas de recursos humanos precisam pensar em novos diferenciais para atrair esses talentos. Foi pensando assim que duas empresas de culturas e segmentos totalmente distintos resolveram se unir para criar um programa integrado único de trainees. Uma espécie de dois em um, ou seja: o candidato tem, desde o início, um convívio diário com diversas áreas das duas corporações, podendo optar por trabalhar em uma ou outra.

Inovar
Esse primeiro programa integrado de trainees no Brasil foi lançado em agosto do ano passado pelas empresas Mars, uma das maiores fabricantes de alimentos para animais de estimação e também muito forte no segmento de chocolate, e a Heineken Brasil, subsidiária de uma das maiores cervejarias do mundo. “As duas utilizavam a mesma consultoria na área de recursos humanos e começamos a perceber que havia muita sinergia e similaridade nos objetivos que queríamos atingir. Então surgiu a idéia de inovarmos com um programa em conjunto para a seleção e a retenção de talentos, capaz de agregar tanto na carreira deles, que vão poder ter a oportunidade única de uma dupla experiência profissional, quanto para as empresas, que poderão escolher e selecionar colaboradores com maior vivência de mercado. São duas companhias que possuem em seu DNA a ousadia e a inovação”, explica Simone Karpinskas, diretora da área de personal and organization da Mars.

Isabel Moisés, vice-presidente de recursos humanos da Heineken, corrobora que a iniciativa [do programa integrado de trainees] foi possível graças a um atributo que ambas as companhias têm em comum: a inovação. “Essa parceria nos colocou com uma vantagem diferenciada em um mercado de atração e retenção de jovens talentos que é muito competitivo hoje no Brasil, e nos deu a oportunidade de oferecer uma experiência enriquecedora para os candidatos”, conta.

O sucesso do programa foi imediato, e durante os quase 60 dias em que ficou com inscrições abertas, quase vinte mil jovens, exatamente  19.930 , se candidataram para as dez vagas, cinco para a Mars e cinco para a Heineken. Desses, 11.549 passaram na primeira peneira com um perfil inicial de acordo com o estabelecido pelas duas multinacionais e prosseguiram no processo.

Etapas
“O programa de seleção foi estruturado em duas etapas. Na primeira, as inscrições foram feitas pela internet. Já a segunda foi constituída de três fases: provas on-line [com duração de três dias]; dinâmicas de grupos [também em três dias]; e painéis com gestores de ambas as empresas [durante dois dias]. Todo esse processo culmina com entrevistas finais e uma dinâmica de grupo que envolve os presidentes e heads de recursos humanos de cada empresa”, explica Isabel.

Para Simone, o processo todo foi muito rico para as duas empresas, mas só foi possível porque os três presidentes envolvidos (dois de duas divisões diferentes da Mars e o da Heineken) estiveram, desde o início do programa integrado, muito comprometidos com todas as fases dele. Ela conta que foi um grande desafio fazê-lo sair da ideia para a realidade com a qualidade pretendida pelas duas empresas. “E todo esse processo exigiu um envolvimento muito forte e dedicado, não só dos profissionais de RH diretamente envolvidos, como também das lideranças e dos presidentes.”

Reprodução
Isabel, da Heineken: job rotation entre as empresas e os jovens

Outro diferencial desse programa de trainees é que os candidatos, no momento da sua inscrição, já podiam indicar a empresa de sua preferência e, depois, confirmar a opção ao final do processo. As vagas, nas duas multinacionais, eram para as áreas de marketing, vendas, manufatura, pesquisa & desenvolvimento, mas todos os dez selecionados vão ter um convívio diário com diversas outras áreas dessas duas companhias. “Quase 80% dos jovens das mais variadas formações querem trabalhar na área de marketing, muitas vezes não propriamente por vocação, mas por acharem que é a carreira que tem mais glamour dentro das empresas. Mas o mais importante é que ele tenha humildade e sempre pergunte, tire suas dúvidas e ouse no que executar, já que o programa de trainee só abre as portas e o sucesso e o crescimento da sua carreira vai depender é dele mesmo”, observa Sofia Esteves, fundadora da Companhia de Talentos e sócia diretora da DMRH.

No programa integrado de trainees da Mars e da Heineken, o candidato selecionado começará na empresa que indicou como de sua preferência e depois terá um job rotation na outra. “O objetivo desse intercâmbio é apoiar o desenvolvimento dos profissionais na função para a qual eles serão preparados, e propiciar uma visão sistêmica do negócio, vivenciando diferentes culturas e interagindo com diferentes pessoas. As rotations entre as empresas terão uma duração de 2 a 3 meses e acontecerão em momentos estratégicos ao longo do segundo ou do terceiro ano do programa”, explica Isabel, da Heineken.

Resiliência
Entre os pré-requisitos para participar desse programa inovador, Simone, da Mars, destaca o inglês fluente, a mobilidade para viajar e residir em qualquer local do país, e ter e desenvolver qualidades comportamentais como paixão pelo crescimento, resiliência, proatividade, criatividade, espírito de inovação, agilidade, maturidade, capacidade de direcionamento e de relacionamento com colegas e superiores. Todos os 10 trainees selecionados serão avaliados por processos anuais de gestão e avaliação de desempenho que existem em cada uma das duas multinacionais, bem como por status de acompanhamento regulares feitos pelos seus respectivos line managers, e por grupos de colaboradores que os acompanharão no seu desenvolvimento e nas entregas das respectivas tarefas.


Mais mulheres
São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais foram os estados com mais representantes entre os jovens profissionais que se inscreveram, com respectivamente 51,1%, 12,2% e 11,1%. De todos os inscritos, 50,2% foram mulheres, o que surpreende já que uma das multinacionais é do ramo de bebidas alcoólicas, e os cursos de administração de empresas (14,8%), engenharia química (6%) e engenharia de produção (5,5%) foram os mais representados nessa primeira seleção.

 

[fbcomments]