Gestão

Toque feminino

Caroline Marino
8 de outubro de 2014

Talvez pouca gente saiba, mas o símbolo da Bacardi, o morcego que aparece em todo rótulo dos produtos da companhia, foi escolhido por uma mulher. Isso começou em 1862, quando a esposa de Dom Facundo (o criador da marca), Doña Amália Moreau, sugeriu que o morcego fosse utilizado como marca registrada de seu novo rum. Ao entrar na primeira destilaria da Bacardi, Amália notou uma colônia de morcegos frutívoros que viviam nas vigas da edificação. Esses animais tinham grande significado no mundo de Doña Amália. Como uma amante das artes, ela sabia que morcegos eram considerados portadores de bens culturais pelo povo taino, indígenas pré-colombianos que habitavam partes da América Central. E havia uma lenda local que dizia que os morcegos traziam saúde, sorte e unidade familiar. A sugestão dela também era inteligente e pragmática. Por causa da alta taxa de analfabetismo no século 19, o produto precisava de um símbolo gráfico fácil de lembrar para ser identificado e assim vender muito. Rapidamente o rum ficou conhecido como “Ron del Murciélago” ou Rum do Morcego, em português.

A valorização da diversidade de gênero não foi escolhida por acaso como prioridade nos esforços de inclusão. A Bacardi tem o Programa Global de Desenvolvimento de Liderança Feminina, com treinamentos de liderança e coaching, que acontecem em diversos países. Também como parte do programa, a empresa realiza cafés da manhã, workshops, e reuniões com líderes mulheres, que inspiram pessoas dentro e fora da organização. “Nesses eventos participam homens e mulheres. O objetivo é que a discussão seja mais completa e inclusiva”, explica Renata Baccarat Menke, gerente de RH da empresa. Há ainda um programa de mentoring com executivos seniores para alguns profissionais que se destacam.

No último ano, o número de mulheres em posição de liderança na Bacardi Brasil aumentou 85%. O comitê executivo ganhou uma nova representante: Andrea Capecci, gerente sênior de TI; e a diretora de RH, Raquel Alvarenga, foi nomeada para o programa global de desenvolvimento de liderança como representante da América Latina. Além de participar de treinamentos de liderança em Miami (EUA), ministrados pelo CEO global e seus comandados diretos, Raquel teve a oportunidade de participar de uma palestra seguida por um almoço com o chairman Facundo Bacardi, fez um treinamento de coaching em Londres e repassou pessoalmente o programa de WIL no Uruguai e México.

De acordo com Renata, o objetivo é criar práticas diferenciadas para todos os funcionários. “Algumas delas como o home office e o horário flexível são apreciadas e valorizadas por todos, mas principalmente pelas mulheres”, afirma. Além disso, o intuito da empresa é que os funcionários representem a população e os consumidores no ambiente de trabalho. “Por isso, toda forma de diversidade é bem-vinda em nossa empresa.”

Ações para elas
* Home office;
* Horário flexível (chegada: das 7h às 11h; saída: das 16h às 20h)
* Manicure duas vezes por semana e designer de sobrancelha durante o expediente
* Ações no Dia da Mulher e Dia das Mães e dos Pais
* Auxílio-creche e material escolar
* Licença-maternidade de seis meses
* Projeto de reforma para a criação de uma sala de amamentação

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail