Artigo

Buscando sentido

Felicidade no trabalho: é preciso desenvolver campanhas para que os colaboradores consigam encontrar um sentido também para seus trabalhos

Da Redação
12 de novembro de 2018

João Cosenza, consultor e fundador do Instituto Gestão Consciente

Felicidade é, muitas vezes, indescritível para muitos de nós. Como uma névoa, você pode vê-la de longe, densa e cheia de forma. Mas, suas partículas podem soltar e, de repente, torna-se fora de alcance, mesmo que elas estejam ao seu redor.

Crédito: Freepik

Nós colocamos tanta ênfase na busca da felicidade, mas se você parar para pensar, é como perseguir algo sem uma garantia de que realmente irá capturá-la. Muitas pessoas têm buscado sonhos que não são seus, pois a sociedade quer definir o que é certo. Exemplo disso é a máxima repetida inúmeras vezes que todos devem ter sucesso, como se ele não tivesse significados diferentes para cada indivíduo. Sem falar em tantos outros “mantras” ditos por aí, como: “você tem que estar feliz todos os dias!”; “tem que comprar tudo o que puder” e “precisa fazer as coisas do jeito certo!”.

Falamos tanto em termos metas a cada ano que se inicia, mas as metas em nossas vidas muitas vezes podem ser interessantes para o que achamos que seja sucesso, mas não para a nossa felicidade. A felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito.Logo, é preciso entender que a felicidade não é o lugar aonde se chega, mas a forma como se caminha na direção do propósito de vida. Afinal, cada um tem uma razão de estar neste mundo e, cumprir este propósito, passa a ser, então, a razão de acordarmos todos os dias pela manhã.

Agora, será que este conceito se aplica ao ambiente de trabalho? Ele é visto como forma de melhorar a rentabilidade dos negócios e vem sendo muito discutido ao longo dos últimos anos. De acordo com pesquisa da London School of Economic e da Universidade de Sussex, realizada em 2015, as pessoas se sentem mais infelizes quando se encontram no trabalho, sendo o momento mais triste dos seus dias.

Diante disso é possível perceber que entre felicidade e lucro, ela deve vir sempre em primeiro lugar. E algumas empresas já entenderam que essa combinação traz equilíbrio para uma pessoa estar bem com quem ela é e com o que faz. Dessa forma, ela terá uma tranquilidade maior para conquistar resultados melhores – seja no negócio ou na vida pessoal.

Mas, esse movimento não deve ficar restrito apenas às grandes organizações. Ele deve ser prioridade também nas micros, pequenas e médias, uma vez que elas respondem por 52% dos empregos com carteira assinada no setor privado, algo em torno de 16,1 milhões de pessoas. Logo, é preciso desenvolver campanhas para que os colaboradores consigam encontrar um sentido também para seus trabalhos. O objetivo é gerar lucro, mas desde que seja sustentável. Afinal, não se pode criar um sistema intermitente, que funciona um dia e no outro não.

A opção de ser feliz não é da empresa. É de cada indivíduo. Mas, o objetivo é que as pessoas estejam inseridas em uma plataforma coerente, que ofereça chances reais para os que se esforçam de fato. Sabemos que, por meio dessa prosperidade, a empresa, independente do seu porte, também prospera, já que acontece o alinhamento do propósito da organização com o do indivíduo. Segundo pesquisas, quando a companhia muda a gestão com o foco na felicidade, ela passa para mais de 90% de satisfação onde antes beirava os 60%.

Normalmente, a missão, a visão e os valores da empresa estão escritos na parede e a empresa diz: “cumpra”. Nesse caso, não há, em geral, intenção de convergir com os objetivos pessoais de cada um. Agora, quando se tem a unidade entre o propósito, a missão, a visão e os valores de cada profissional e os da empresa, as pessoas trabalham de forma mais sólida em direção ao que sonham e se dedicam com mais profundidade. E a organização por sua vez se beneficia, é claro, porque o profissional não estará ali só de “corpo presente”.

Agora você deve estar se perguntando: como colocar, então, em práticas essas mudanças? Comece com o básico: dê tempo para as pessoas terem vida fora da organização. Mas, lembre-se que felicidade não é ser permissivo. Não é oferecer presentinhos, dinheiro fácil, ser legal, mas sim justo. As pessoas têm uma predileção natural por justiça. Quando você trata alguém com transparência e verdade, a resposta é compromisso.

Já para as empresas que ainda não acordaram para esse modus operandi, a perda é grande, pois as pessoas precisam ser proativas para ajudar a melhorar os processos da organização e não somente para criar lucro. Tudo isso, nos mostra que estimular as pessoas a voltarem a acreditar nelas mesmas vale a pena. É quase que um resgate de valores que adoraríamos ver de forma maciça se solidificar na sociedade. É um círculo virtuoso. Talvez para ter mais lucro, só precisemos ser um pouquinho mais satisfeitos e felizes.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail