Carreira e Educação

Como trabalhar sua marca pessoal pode ajudar na carreira?

Especialista lista 5 princípios básicos para o gerenciamento da marca pessoal

Da Redação
13 de agosto de 2018

Você sabe como usar da melhor forma possível sua marca pessoal para se destacar e se diferenciar no mercado de trabalho? De acordo com Ilana Berenholc, especialista em Personal Branding, as empresas, já há muito tempo, deixaram de ser instituições paternalistas. Hoje, é o profissional que tem que zelar pelo próprio desenvolvimento e saber comunicar de que forma gera valor. “É importante ter o controle de como se é percebido, trabalhando essa percepção no sentido de ser identificado como um especialista qualificado e atualizado, pronto para qualquer demanda ligada ao seu universo de trabalho”, ressalta. 

E é aí que a gestão da marca pessoal entra. Ela parte de uma investigação profunda do profissional, para uma compreensão dos principais atributos que o tornam único e que o posicionam e o diferenciam das outras pessoas. Nele, respondemos a 3 perguntas: Quem você é; O que você faz; Qual o seu diferencial, ou como você cria valor para o seu público.

A especialista explica que isso permite comunicar-se com clareza a respeito de quem você é e o que tem a oferecer. Como benefício, ajuda a estabelecer metas e objetivos profissionais para impulsionar a carreira; fortalecer a imagem, diferenciar-se da concorrência e inspirar confiança e credibilidade. “Isso vale para quem está começando e para quem já está há tempos no mercado”, ressalta. Ilana listou 5 princípios básicos para o gerenciamento da marca pessoal.

A gestão da marca pessoal é baseada em autenticidade: não criamos uma marca – nós a gerenciamos. Não se trabalha com uma imagem pretendida, mas sim com quem a pessoa é na sua essência.

Marca pessoal não é sobre você, mas sim sobre o valor que você traz na interação com outros: gerenciar a marca fundamental se baseia, principalmente, em saber a forma que você “deixa uma marca” nas pessoas com quem se relaciona.

A gestão de marca pessoal não é algo temporário: ela exige um trabalho constante, com metas de curto, médio e longo prazo.

Não comece de trás para a frente. Personal Branding não se resume à visibilidade: o que quero dizer é que muitos pensam que se trata apenas de postar nas redes sociais. Isso faz parte, mas é uma das etapas finais do processo. Antes de tudo, é preciso fazer uma investigação profunda sobre quem você é para, depois, alinhar todas as suas ações a quem você é e seus objetivos.

Cuidado com múltiplas personalidades: você deve zelar para que a experiência que as pessoas têm de você no mundo offline é a mesma que elas têm no mundo online. Deve haver coerência.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail