Carreira

Cresce 15% o número de novos CNPJs no Brasil

Pesquisa revela que pouco mais de 1 milhão de CNPJs foram abertos no modelo em todo o Brasil

Da Redação
3 de agosto de 2018

Apesar do burocrático processo de abrir e fechar uma empresa no Brasil, a instabilidade econômica do país falou mais alto. Trabalhar por conta própria e colocar em prática um sonho de muitos brasileiros, o de abrir um negócio – que muitas vezes é uma grande paixão -, tem sido uma importante solução para quem quer driblar a a crise e, quem sabe, se firmar neste novo empreendimento. 

Acessível, uma delas é a de se tornar microempreendedor individual, o MEI, uma forma fácil e rápida de se obter um CNPJ e que vem tendo, a cada dia, mais adeptos.

Uma pesquisa realizada pela startup MEI Fácil, de janeiro a maio deste ano, pouco mais de 1 milhão de CNPJs foram abertos no modelo em todo o Brasil, resultando em crescimento de 15% se comparado com o mesmo período no ano passado, quando surgiram 900 mil novas pessoas jurídicas. O programa do MEI já conta com mais de 7 milhões de empreendedores e autônomos no país.

De acordo com Marcelo Moraes, CEO da MEI Fácil, tornar-se um microempreendedor individual garante maior segurança ao trabalhador que pretende tocar o seu negócio. “Eles se sentem mais confortáveis quando seu negócio está totalmente regularizado. Assim, também começam a se organizar melhor, evitar perdas, reduzir custos, o que contribui muito para a prosperidade do empreendimento. Um microempreendedor formalizado chega a faturar o dobro de um colega da mesma profissão, mas que não possui um CNPJ”, afirma Marcelo.

Em algumas regiões do Brasil, esse aumento é ainda mais notável. No Mato Grosso, o crescimento de CNPJs foi de 64% no período analisado. No Amapá o crescimento atingiu 49%. O estado que mais abrigou novos microempreendedores foi São Paulo, que, com um crescimento de 27% neste semestre em relação ao do ano anterior, contou com aproximadamente 300 mil novos cadastros em 2018.

Entre outras facilidades, tornar-se microempreendedor individual, para Marcelo Moraes, é uma grande janela de oportunidade. “Muitos trabalhadores acabam perdendo possibilidades de negócio por não serem regularizados. A chance de emitir uma nota fiscal, ou então de oferecer outras formas pagamento, é importante para que o serviço prestado se torne atrativo e atinja mais consumidores. Mais de 75% dos empreendedores apontam que passaram a vender mais após se tornarem MEI. Isso sem falar nos descontos para compra de mercadorias”, comenta.

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail