Carreira e Educação

ICRH: profissionais recuperam o otimismo no mercado de trabalho

Da Redação
18 de março de 2019

A 7ª edição do Índice de Confiança Robert Half – ICRH indica que a recuperação do mercado de trabalho está muito próxima de acontecer. O estudo revelou que todas as categorias mapeadas (desempregados, empregados e recrutadores) estão confiantes quanto ao momento atual e os próximos seis meses.

“Lançamos o ICRH em agosto de 2017 e, desde então, esse é o melhor resultado de toda a série histórica. Para nós, isso é um claro indício de que os profissionais estão tendo mais acesso às oportunidades e que as empresas estão interessadas em dar andamento a projetos que estavam paralisados em decorrência das incertezas econômicas e políticas do país”, explica Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half.

Disputa pelos profissionais qualificados
Durante toda a série histórica, outro destaque foi que o índice de desemprego entre profissionais com 25 anos de idade ou mais e formação superior completa permaneceu bem abaixo da média geral da população, atingindo o menor índice (5,3%) desde o 2º trimestre de 2017.

Muito provavelmente este é o motivo para que 84% dos recrutadores (profissionais responsáveis pelo preenchimento das vagas nas empresas) prevejam que nos próximos meses o principal desafio no processo de seleção será encontrar profissionais com as habilidades e competências desejadas. “A recomendação é que as empresas estruturem processos de recrutamento ágeis, porém, completos. Do contrário, há grandes riscos de perder o candidato escolhido para a concorrência”, alerta Mantovani.

Índice de Desemprego (Fonte: IBGE)

Contratação por projetos é vantajosa para empresa e profissional
Muito comum na Europa e nos Estados Unidos, a contratação de profissionais temporários para cargos de analista a diretor tem ganhado muitos adeptos entre as empresas do Brasil. De acordo com a 7ª edição do Índice de Confiança Robert Half – ICRH, 90% dos profissionais que já atuaram pela modalidade afirmam que a experiência é positiva para o currículo.

Do outro lado, 50% dos empregadores destacam que a modalidade temporária lhes permite acesso rápido à mão de obra qualificada. Nas empresas, as três principais demandas de executivos temporários são para suprir a falta de conhecimento específico durante um projeto; auxiliar a equipe permanente em períodos de excesso de trabalho; e cobrir a ausência programada ou emergencial de um profissional-chave.

Outros insights da 7ª edição do Índice de Confiança Robert Half – ICRH:

● Principais motivos para desconsiderar um candidato: mentira no currículo é inaceitável para 33% dos recrutadores entrevistados. Outros motivos bastante citados para desconsiderar um candidato do processo seletivo foram: quando o profissional não se encaixa na cultura da empresa (23%); quando ele não demonstra interesse pela vaga (12%); e quando fala mal do emprego anterior (12%).

● O que mais chama a atenção do recrutador: perceber que o candidato se encaixa na cultura da empresa é o principal motivo que faz brilhar os olhos de 29% dos recrutadores entrevistados, à frente de habilidades comportamentais (26%) e resultados atingidos nas empresas anteriores (17%).

Compartilhe nas redes sociais!

Enviar por e-mail